Abelcet - Bula

Abelcet



Abelcet

Indicação

Para quê serve Abelcet?

ABELCET é indicado para o tratamento das infecções fúngicas sistêmicas e/ou profundas causadas por fungos sensíveis à anfotericina B, como: aspergilose invasiva, candidíase disseminada, zigomicose, fusariose, criptococose, coccidioidomicose, paracoccidioidomicose, histoplasmose, blastomicose, leishmaniose cutânea e visceral nas formas avançadas da doença em adultos e crianças.

Contraindicações

Quando NÃO devo usar este medicamento?

ABELCET é contraindicado em pacientes que tenham demonstrado hipersensibilidade à anfotericina B ou a qualquer outro componente da formulação.

Posologia

Como usar Abelcet?

A dose diária recomendada para adultos e crianças (incluindo neonatos prematuros) é de 1,0 a 5,0mg/Kg/dia, em uma única infusão. Para infecções fúngicas do sistema nervoso central (SNC), o tempo de tratamento é de 2 a 6 semanas dependendo da resposta clínica.

A dosagem de ABELCET deve ser ajustada de acordo com as necessidades específicas de cada paciente:

a) Micoses sistêmicas - A terapia usualmente é instituída a uma dose de 1,0mg/kg/dia, podendo ser aumentada até 5,0mg/kg/dia conforme a necessidade.

b) Leishmaniose visceral - Poderá ser usada a dose de 3mg/kg/dia por 5 a 10 dias.

c) Profilaxia para infecções fúngicas invasivas em pacientes transplantados - ABELCET pode ser administrado em doses diárias de 1,0 a 1,5mg/kg/dia durante 5 dias consecutivos após o transplante.

d) Profilaxia em pacientes com Leucemia - Doses diárias de 2,5mg/kg/dia 3 vezes por semana ou 1,25mg/kg/dia em pacientes com nefrotoxicidade ou hepatotoxicidade.

e) Profilaxia para Leishmaniose - ABELCET na dosagem de 1,0mg/kg/dia por 21 dias nos pacientes com Síndrome da Imunodeficiência adquirida.

f) Infecção fúngica sistêmica em pacientes pediátricos - É recomendada a dose de 2,0 a 5,0mg/kg/dia.

g) Nas infecções do SNC, ABELCET pode ser administrado por via Intratecal ou intracisternal associado com a administração sistêmica da droga. Pode ser administrado juntamente com hidrocortisona. A dose para a administração por estas vias é de 0,01mg a 1,5 mg/dia/semana.

Dose omitida Em caso de esquecimento de dose, entrar em contato com o seu médico imediatamente. Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico. Não use o medicamento com o prazo de validade vencido. Antes de usar observe o aspecto do medicamento.

Efeitos Colaterais

Quais os males que este medicamento pode me causar?

Corpo como um todo Mal-estar, perda ponderal, surdez, reação no local da injeção incluindo inflamação.

Alérgicos Broncoespasmo, sibilos, asma, reações anafilactóides e outras reações alérgicas.

Cardiopulmonares Insuficiência cardíaca, edema pulmonar, choque, infarto do miocárdio, hemoptise, taquipnéia, tromboflebite, embolia pulmonar, miocardiopatia, derrame pleural, arritmias incluindo fibrilação ventricular.

Dermatológicos Exantema maculopapular, prurido, dermatite esfoliativa, eritema polimorfo.

Gastrointestinais Insuficiência hepática aguda, hepatite, icterícia, melena, anorexia, dispepsia, cólica, dor epigástrica, doença hepática veno-oclusiva, diarréia, hepatomegalia, colongite, colecistite.

Hematológicos Defeitos de coagulação, leucocitose, discrasias sanguíneas incluindo eosinofilia.

Músculo-esqueléticos Miastenia e dores ósseas, musculares e articulares.

Neurológicos Convulsões, zumbido, deficiência visual, deficiência auditiva, neuropatia periférica, vertigem transitória, diplopia, encefalopatia, acidente vascular cerebral, síndrome extrapiramidal e outros sintomas neurológicos.

Urogenitais Oligúria, diminuição da função renal, anúria, acidose tubular renal, impotência, disúria.

Anormalidades dos eletrólitos séricos, Hipomagnesemia, hipercalemia, hipocalcemia, hipercalcemia.

Anormalidades das provas de função hepática Elevações da AST, ALT, fosfatase alcalina, LDH.

Anormalidades das provas de função renal Elevação da uréia sérica.

Outras anormalidades Acidose, hiperamilasemia, hipoglicemia, hiperglicemia, hiperuricemia, hipofosfatemia.

Advertências e precauções

O que devo saber antes de usar este medicamento?

Têm sido informados casos de anafilaxia com desoxicolato de anfotericina B e outros produtos que contém anfotericina B. Com ABELCET, a taxa de incidência de anafilaxia informada é < 1%. Caso ocorra dificuldade respiratória grave, a infusão deve ser suspensa imediatamente; o paciente não deve receber outras infusões de ABELCET.

Gerais Assim como com qualquer produto que contenha anfotericina B, a administração inicial de ABELCET deve ser realizada sob observação clínica estreita por profissionais com treinamento adequado. Reações agudas como febre e calafrios, podem ocorrer 1 a 2 horas após o início de uma infusão intravenosa de ABELCET. Geralmente estas reações são mais comuns nas doses iniciais de ABELCET e costumam diminuir nas doses subsequentes. A infusão raramente tem sido associada a hipotensão (pressão arterial baixa), broncoespasmo (constrição reversível das vias aéreas pequenas do trato respiratório), arritmias cardíacas (alterações do ritmo cardíaco normal) e choque.

Exames Laboratoriais Os valores da creatinina sérica devem ser monitorados a intervalos frequentes durante a terapia com ABELCET (vide Reações Adversas). É também recomendável o monitoramento regular da função hepática, eletrólitos séricos (particularmente magnésio e potássio) e hemograma completo. Carcinogênese, mutagênese e redução da fertilidade Não foram realizados estudos de longo prazo, em animais, para avaliar o potencial carcinogênico de ABELCET. Para acessar o potencial mutagênico de ABELCET, foram conduzidos os seguintes estudos in vitro (com e sem ativação metabólica) e in vivo: ensaio de mutação reversa bacteriana, ensaio de mutação de progressão do linfoma em camundongo, ensaio de aberração cromossômica em células CHO e ensaio in vivo de micronúcleos em camundongo. ABELCET não apresentou efeitos mutagênicos em quaisquer dos ensaios. Os estudos demonstraram que ABELCET não teve qualquer impacto sobre a fertilidade dos ratos machos e fêmeas, em doses até 0,32 vezes a dose humana recomendada (com base no parâmetro área de superfície corporal).

Gravidez Como não foram realizados estudos adequados e bem controlados em mulheres grávidas, ABELCET somente deve ser utilizado durante a gravidez após conclusão de que a droga é realmente importante para a paciente.

Amamentação Não se sabe se ABELCET é excretado no leite materno. Como muitas drogas são excretadas no leite humano e tendo em vista o potencial de reações adversas sérias, devidas a ABELCET, em lactentes alimentados ao seio, deve-se decidir entre a suspensão da amamentação ou o uso da droga, levando em conta a importância da droga para a mãe.

Crianças Cento e onze crianças (2 foram recrutadas duas vezes e contadas como pacientes separados), com idades de 16 anos ou menos, onze das quais tinham menos de 1 ano, foram tratadas com ABELCET, na dose de 5 mg/Kg/dia, em dois estudos abertos e em um pequeno estudo prospectivo de ramo único. Em um estudo monocêntrico, 5 crianças com candidíase hepatoesplênica foram tratadas eficazmente com 2,5 mg/Kg/dia de ABELCET. Não foram reportados efeitos adversos sérios inesperados.

ABELCET foi estudado em neonatos e foi constatado que o medicamento é seguro e eficaz no tratamento nesta faixa etária com candidíase invasiva na dosagem de 2,5mg/kg/dia à 5 mg/kg/dia. Os resultados deste estudo indicaram que não há diferença na disposição de ABELCET em neonatos e grupos de outras idades.

Idosos Quarenta e nove pacientes idosos, com idade acima de 65 anos, foram tratados com ABELCET na dose de 5 mg/Kg/dia, em dois estudos abertos e em um estudo de grupo único, prospectivo e menor. Nenhum evento adverso grave inesperado foi relatado.

Superdosagem

O que fazer se alguém usar uma quantidade maior do que a indicada deste medicamento?

Tem sido reportado que a superdosagem com desoxicolato de anfotericina B pode causar parada cardiorrespiratória. Existe informe sobre 15 (quinze) pacientes que receberam uma ou mais doses de ABELCET entre 7-13 mg/Kg; nenhum desses pacientes apresentou uma reação aguda séria ao medicamento. Caso se suspeite de superdosagem, descontinuar o tratamento, monitorar o estado clínico do paciente e instituir as medidas de apoio necessárias. ABELCET não é hemodialisável.

Composição

Cada ml da suspensão contém:

Anfotericina B: 5 miligramas Veículo: q.s.p.: 1 ml Veículo: L-a-dimiristoilfosfatidilcolina (DMPC), L-a-dimiristoilfosfatidilglicerol (DMPG), cloreto de sódio e água para injeção.

Armazenamento

Onde, como, e por quanto tempo posso guardar este medicamento?

Armazenar a uma temperatura entre 2ºC à 8ºC, protegido da luz. Não congelar. Mantê-lo dentro do cartucho até o momento do uso. A suspensão diluída de ABELCET em solução glicosada a 5%, pronta para o uso, é estável por até 48 horas de 2ºC à 8ºC e por um período adicional de 6 horas à temperatura ambiente.

Prazo de validade 24 meses

Apresentação

Complexo Lipídico de anfotericina B 5 mg/ml Suspensão opaca, estéril, apirogênica, para infusão endovenosa.

Embalagens unitárias com frascos de vidro com 10 ou 20 mililitros de suspensão, para uso único, acompanhados de agulhas com filtro de 5µ.

USO ENDOVENOSO ADULTO E PEDIÁTRICO.

Interações Medicamentosas

Não foram conduzidos estudos formais de interação de ABELCET com outras drogas. Mas, quando administradas concomitantemente, as drogas mencionadas em seguida são conhecidas por interagir com a anfotericina B, podendo assim, interagir com ABELCET:

Agentes antineoplásicos O uso simultâneo de agentes antineoplásicos e anfotericina B pode aumentar o potencial para toxicidade renal, broncoespasmo e hipotensão. Deve-se ter muito cuidado quando da administração concomitante de agentes antineoplásicos e ABELCET.

Corticoesteróides e corticotropina (ACTH).

O uso concomitante de corticoesteróides ou corticotropina com anfotericina B pode potencializar a hipocalemia, que pode predispor o paciente à disfunção cardíaca; se usados concomitantemente com ABELCET , os eletrólitos séricos e a função cardíaca devem ser estreitamente monitorados.

Ciclosporina A Dados de um estudo prospectivo do uso profilático de ABELCET em 22 pacientes submetidos a transplante de medula óssea sugeriram que a instituição simultânea de Ciclosporina A e ABELCET, nos dias posteriores à cirurgia, pode estar associada com nefrotoxicidade aumentada.

Glicosídeos digitálicos O uso concomitante de anfotericina B pode induzir hipocalemia e potencializar a toxicidade digitálica. Quando administrados concomitantemente com ABELCET, os níveis séricos de potássio devem ser estreitamente monitorados.

Flucitosina O uso concomitante de flucitosina com preparações contendo anfotericina B pode aumentar a toxicidade da flucitosina por uma possível elevação da sua captação celular e/ou comprometimento da sua excreção renal. Deve-se ter cautela na administração concomitante da flucitosina com ABELCET.

Imidazóis (cetoconazol, miconazol, clotrimazol, fluconazol, etc) Antagonismo entre anfotericina B e derivados imidazólicos tais como miconazol e cetoconazol, que inibem a síntese de ergosterol, foi reportado tanto em estudos in vitro quanto em animais in vivo. A importância clínica destes achados não foi determinada.

Transfusões de leucócitos Foi reportada toxicidade pulmonar aguda em pacientes que receberam anfotericina B intravenosa e transfusões de leucócitos. Não se deve administrar, ao mesmo tempo, transfusões de leucócitos e ABELCET.

Outros medicamentos nefrotóxicos O uso simultâneo de anfotericina B e agentes tais como aminoglicosídeos e pentamidina podem aumentar o potencial de toxicidade renal droga-induzida. O uso simultâneo de ABELCET e aminoglicosídeos ou pentamidina requer muito cuidado. Recomenda-se monitoração intensiva da função renal em pacientes que requeiram qualquer combinação de medicamentos nefrotóxicos.

Relaxante músculo-esquelético A hipocalcemia induzida pela anfotericina B pode aumentar o efeito curarizante dos relaxantes músculos-esqueléticos (tubocurarina, por exemplo). Quando administrados simultaneamente com ABELCET, os níveis de potássio sérico devem ser monitorados a intervalos frequentes.

Zidovudina Observaram-se aumentos da mielotoxicidade e da nefrotoxicidade em cães quando ABELCET (em doses 0.16 ou 0.5 vezes a dose humana recomendada) ou desoxicolato de anfotericina B (0.5 vezes a dose humana recomendada) foram administrados simultaneamente com zidovudina durante 30 dias. Ao se usar zidovudina e ABELCET simultaneamente, as funções renais e hematológica devem ser monitoradas a intervalos frequentes.

Informações Legais

Reg. M.S. 1.5626.0016 Farmacêutico Responsável: Patrícia Machado de Campos.

CRF-RJ nº 9817.

Laboratório

Fabricado por: Enzon Pharmaceuticals, Inc., Indianápolis, IN, USA para Cephalon Limited, Albany Place, Hyde Way, Welwyn Garden City, Hertfordshire, AL7 3BT, UK.

Importado por: LABORATÓRIOS BAGÓ LTDA..

R. Cônego Felipe, 365 - Rio de Janeiro / RJ - CEP: 22.713-010.

CNPJ nº 04.748.181/0001-90.

Indústria Brasileira


Bulas
Principal