CIPROFLOXACINO

Ciprofloxacino


Medicamento genérico Lei n° 9.787, 1999


Solução injetável para infusão intravenosa

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO: - CIPROFLOXACINO

Solução injetável, 200 miligramas ou 400 miligramas

Embalagem contendo 6 bolsas plásticas com 100 mL ou 200 mL.

USO ADULTO



Uso exclusivo por infusão intravenosa

COMPOSIÇÃO: - CIPROFLOXACINO

Cada mL deste medicamento, na forma de solução para infusão, contém:

Ciprofloxacino: 2,0 miligramas Excipientes q.s.p.: 1,0 mL Excipientes: ácido láctico, cloreto de sódio, EDTA dissódico e água para injeção.


Cuidados de armazenamento

Este medicamento deve ser armazenado na embalagem original, em temperatura ambiente (entre 15°C e 30°C) e ao abrigo da luz. A solução para infusão é sensível à luz; portanto, somente deve ser retirada da embalagem externa no momento de uso. Uma vez retirada da embalagem, a solução para infusão permanece estável por três dias, à luz natural.


Prazo de validade

Desde que sejam observados os cuidados de armazenamento, o produto apresenta o prazo de validade de 24 meses, contados a partir da data de fabricação impressa em sua embalagem externa.


NÃO USE MEDICAMENTO COM O PRAZO DE VALIDADE VENCIDO.



TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.


INFORMAÇÕES TÉCNICAS: - CIPROFLOXACINO


CARACTERÍSTICAS: - CIPROFLOXACINO

Ciprofloxacino, antibiótico sintético pertencente ao grupo dos quinolônicos, tem mecanismo de ação decorrente do bloqueio da função da DNA-girase, resultando em alto efeito bactericida sobre amplo espectro de microrganismos. É efetiva, in vitro, contra os patógenos Gram-negativos, inclusive Pseudomonas aeruginosa, e contra patógenos Gram-positivos, tais como Staphylococcus e Streptococcus. Em geral, os anaeróbicos são menos suscetíveis. A ação bactericida de ciprofloxacino ocorre na fase proliferativa e vegetativa.

Ciprofloxacino inibe a DNA-girase bloqueando o metabolismo bacteriano, uma vez que informações vitais não mais podem ser lidas a partir do cromossomo bacteriano. A resistência ao ciprofloxacino não é mediada por plasmídeos e se desenvolve lentamente e em estágios. ciprofloxacino não apresenta resistência paralela com os demais antibióticos, não compreendidos no grupo dos quinolônicos. Assim, pode ser eficaz contra bactérias resistentes a outros antibióticos, como β-lactâmicos, aminoglicosídeos, penicilinas, cefalosporinas, tetraciclinas, macrolídeos, sulfonamidas e trimetoprima ou derivados do nitrofurano.

A resistência paralela se observa dentro do grupo dos inibidores da girase. Contudo, por causa da alta sensibilidade primária ao ciprofloxacino, apresentada pela maioria dos microrganismos, a resistência paralela é menos pronunciada com essa droga. Assim, ciprofloxacino permanece eficaz contra patógenos que já apresentam resistência a inibidores da girase menos efetivos.

Por sua estrutura química, ciprofloxacino é eficaz contra bactérias produtoras da β-lactamase.

A ciprofloxacino pode ser utilizada em associação com outros antibióticos. Há relatos de estudos in vitro com patógenos sensíveis, utilizando ciprofloxacino em associação com antibióticos β-lactâmicos e aminoglicosídeos, onde se verificam efeitos aditivos ou não demostraram interação; efeitos sinérgicos foram relativamente raros e antagonismo foi muito raro.

As combinações possíveis com antibióticos incluem:

• para Pseudonomas: azlocilina e ceftazidima.

• para Streptococcus: mezlocilina, azlocilina e outros antibióticos β-lactâmicos efetivos.

• para Staphylococcus: antibióticos β-lactâmicos, particularmente isoxazolilpenicilinas e vancomicina.

• para anaeróbios: metronidazol e clindamicina.

Após a administração intravenosa, 75% da dose administrada são eliminados pela urina e 14% pelas fezes, sendo mais de 90% eliminados nas primeiras 24 horas. Os locais infectados (fluidos corporais e tecidos) contêm concentrações de ciprofloxacino mais elevadas do que o sangue.


- INDICAÇÕES:

Infecções complicadas e não complicadas causadas por microrganismos sensíveis ao ciprofloxacino.

• Trato respiratório: Ciprofloxacino pode ser considerado como tratamento recomendável em casos de pneumonias causadas por Klebsiella, Enterobacter, Proteus, E. coli, Pseudonomas, Haemophillus, Branhamella, Legionella e Staphylococcus. Ciprofloxacino não deve ser usado como medicamento de primeira escolha no tratamento de pacientes ambulatoriais com pneumonias causadas por Pneumococcus.

• Ouvido médio (otite média) e seios paranasais (sinusite), especialmente se a infecção for causada via microrganismos Gram-negativos, inclusive Pseudonomas e Staphylococcus. Ciprofloxacino não é indicado para o tratamento de tonsilite aguda (angina tonsilaris).

• Olhos.

• Rins e/ou trato urinário eferente.

• Órgão genitais, inclusive anexite, gonorréia e prostatite.

• Cavidade abdominal (ex., infecções bacterianas do trato gastrintestinal ou do trato biliar e peritonite).

• Pele e tecidos moles.

• Ossos e articulações.

• Sepse.

Infecção ou risco iminente de infecção (profilaxia) em pacientes com sistema imunológico comprometido (ex., pacientes em uso de imunossupressores ou pacientes neutropênicos).

Descontaminação intestinal seletiva em pacientes sob tratamento com imunossupressores.

De acordo com estudos in vitro, podem ser considerados sensíveis ao ciprofloxacino os seguintes microrganismos:

E. coli, Shigella, Salmonella, Citrobacter, Klebsiella, Enterobacter, Serratia, Hafnia, Edwardsiella, Proteus, (indolpositivo e indol-negativo), Providencia, Morganella, Yersinia, Vibrio, Aeromonas, Plesiomonas, Pasteurella, Haemophillus, Campylobacter, Pseudomonas, Legionella, Neisseria, Moraxella, Acinetobacter, Brucella, Staphylococcus, Listeria, Corynebacterium e Chlamydia.

Os microrganismos abaixo são sensíveis ao ciprofloxacino em grau variável:

Gardnerella, Flavobacterium, Alcaligenes, Streptococcus agalactiae, Enterococcus faecalis, Streptococcus pyogenes, Streptococcus pneumoniae, Streptococcus viridans, Mycoplasma hominis, Mycobacterium tuberculosis e Mycobacterium fortuitum.

Os seguintes microrganismos habitualmente se mostram resistentes:

Enterococcus faecium, Ureaplasma urealyticum e Nocardia asteroides.

Com raras exceções, os anaeróbios variam de moderadamente sensíveis (ex., Peptococcus e

Peptostreptococcus) a resistentes (ex., Bacteroides).

ciprofloxacino é ineficaz contra o Treponema pallidum.


CONTRAINDICAÇÕES: - CIPROFLOXACINO

Este medicamento não deve ser usado em casos de hipersensibilidade conhecida ao ciprofloxacino, aos derivados quinolônicos e/ou demais componentes da formulação. ciprofloxacino não deve ser prescrito a crianças e adolescentes, já que não há dados que assegurem seu uso nesses grupos de pacientes; a não ser na condição de neutropenia febril ou infecções em que a indicação de ciprofloxacino suplante os riscos de efeitos indesejáveis. Pode causar lesões na cartilagem articular de organismos imaturos.

ADVERTÊNCIAS E PRECAUÇÕES: - CIPROFLOXACINO

Sistema gastrintestinal - Se ocorrer diarréia grave e persistente durante ou após o tratamento, a administração de ciprofloxacino deve ser interrompida, já que esse sintoma pode ocultar doença intestinal grave (colite pseudomembranosa, com possível evolução fatal) que exija tratamento adequado imediato. Medicamentos que inibem a peristalse são contraindicados.

Pode ocorrer um aumento temporário das transaminases e da fosfatase alcalina, ou icterícia colestática, especialmente em pacientes com doença hepática anterior.


Sistema nervoso – Em pacientes portadores de epilepsias ou com distúrbios do Sistema Nervoso Central (SNC) (ex., limiar convulsivo reduzido, antecedentes de convulsão, redução do fluxo cerebral, lesão cerebral ou acidente vascular cerebral), ciprofloxacino deve ser administrado se os benefícios do tratamento forem superiores aos possíveis riscos, por eventuais efeitos colaterais sobre o SNC. Em alguns casos, essas reações ocorreram logo após a primeira administração de ciprofloxacino. Raramente podem ocorrer depressão ou reações psicóticas, que possam evoluir para um comportamento de auto-exposição a riscos.

Nesse caso, ciprofloxacino deve ser suspenso.


Hipersensibilidade – Em alguns casos, reações alérgicas e de hipersensibilidade podem ocorrer após a primeira administração. Raramente reações anafiláticas/anafilactóides podem progredir para um estado de choque com risco de vida, em alguns casos, após a primeira administração. Em tais circunstâncias, a administração de ciprofloxacino deve ser interrompida e instituído tratamento médico adequado (ex., tratamento para choque).


Reações locais – Têm-se documentado reações no local da aplicação com o uso intravenoso de

ciprofloxacino mais frequentes se o tempo de infusão for menor ou igual a 30 minutos que desaparecem rapidamente ao término da infusão. A administração subsequente não é contraindicada a não ser que as reações reapareçam ou se agravem. A aplicação intravenosa deverá ser feita por infusão lenta em um período de 60 minutos, preferivelmente.


Sistema músculo-esquelético – Ao primeiro sinal de tendinite (por exemplo, distensão dolorosa), a administração de ciprofloxacino deve ser suspensa e evitados exercícios físicos. Em alguns casos, durante a administração de ciprofloxacino predominantemente em pacientes idosos em tratamento sistêmicos anterior com glicocorticóides, observou-se aquilotendinite, que pode ocasionar a ruptura do tendão de Aquiles.



Pele e anexos – Ciprofloxacino pode induzir reações de fotossensibildade na pele. Portanto, deve-se evitar a exposição direta e excessiva ao sol ou luz ultravioleta. O tratamento deve ser descontinuado se ocorrer fotossensibilização.


Habilidade para dirigir e operar máquinas – A capacidade de reagir prontamente às situações pode ser alterada, comprometendo a habilidade de dirigir veículos ou operar máquinas. Tal fato ocorre principalmente com a ingestão concomitante de álcool.


INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS: - CIPROFLOXACINO

A administração concomitante de ciprofloxacino e teofilina pode produzir aumento indesejável nas concentrações séricas de teofilina. Quando o uso de ambos for inevitável, as concentrações séricas de teofilina deverão ser cuidadosamente monitorizadas, para o ajuste cuidadoso da dose. Nos casos em que isso não seja possível, a teofilina deverá ter sua dose reduzida à metade da indicada.

Esse ajuste, que deverá ser feito antes da administração da primeira dose de ciprofloxacino, tem por finalidade evitar as concentrações séricas altas de teofilina comumente observadas e que provocam efeitos colaterais graves, como arritimias ventriculares, convulsões ou até a morte, como primeiro sinal de toxicidade e sem prévio aviso.

Há relatos de estudos realizados com animais onde se verificou que a associação de doses altas de quinolonas (inibidores da girase) e certos anti-inflamatórios não esteróides (mas, não o ácido acetilsalicílico) pode provocar convulsões.

A administração simultânea de ciprofloxacino e ciclosporina causou aumento transitório da creatinina sérica.

Portanto, é necessário controlar a concentração de creatinina sérica nesses pacientes.

O uso concomitante de ciprofloxacino e varfarina pode intensificar a ação da varfarina.

Em casos individuais, a administração concomitante de ciprofloxacino e glibenclamida pode intensificar a ação da glibenclamida (hipoglicemia).

A probenecida interfere na secreção renal de ciprofloxacino. A administração concomitante de probenecida e ciprofloxacino causa aumento da concentração sérica de ciprofloxacino.

A metoclopramida acelera a absorção de ciprofloxacino, fazendo com que a concentração máxima no plasma seja atingida em um período de tempo menor.

GRAVIDEZ E LACTAÇÃO: - CIPROFLOXACINO

Ciprofloxacino não deve ser prescrita a mulheres grávidas ou lactantes, já que não há experiência sobre a segurança da droga nessas pacientes; além disso não é de todo improvável que o medicamento possa causar lesões na cartilagem articular de organismos imaturos. Estudos feitos com animais não evidenciaram efeitos teratogênicos.


REAÇÕES ADVERSAS: - CIPROFLOXACINO

Em estudos clínicos realizados com ciprofloxacino, as seguintes reações adversas foram documentadas e estão classificadas por frequência a seguir:


As reações adversas mais comuns coletadas com base em relatos espontâneos e classificadas por frequência, são as seguintes:



- POSOLOGIA:

Salvo prescrição médica contrária, as seguintes doses de ciprofloxacino (mg) são recomendadas:



Pacientes idosos devem receber doses tão reduzidas quanto possível, dependendo da gravidade da doença e do clearance de creatinina.


Posologia na insuficiência renal ou hepática



1. Insuficiência renal 1.1 Clearance da creatinina entre 31 a 60 mL/min/1,73 m2, ou em concentração de creatinina sérica entre 1,4 e 1,9 mg/100 mL A dose máxima diária de ciprofloxacino deverá ser de 800 mg/dia, por via intravenosa.

1.2 Clearance de creatinina igual ou menor que 30 mL/min/1,73 m2, ou em concentração de creatinina sérica igual ou maior que 2,0 mg/100 mL.

A dose máxima diária de ciprofloxacino deverá ser de 400 mg/dia, por via intravenosa.

2. Insuficiência renal + hemodiálise Nos dias de diálise, após a mesma, a dosagem conforme o item 1.2.

3. Insuficiência renal + CAPD Acrescentar ciprofloxacino solução ao dialisado (intraperitonial): 50 miligramas de ciprofloxacino/litro de dialisado, administrado 4 vezes ao dia, a cada 6 horas.

4. Insuficiência hepática.

Não é necessário ajuste de dose.

5. Em casos de função renal e hepáticas alteradas O ajuste de dose deve ser feito de acordo com os itens 1.1 e 1.2.


- INSTRUÇÕES DE USO:

Administração intravenosa - a aplicação de ciprofloxacino injetável deve ter duração de 60 minutos. A infusão deve ser lenta em veia de calibre adequado para reduzir os riscos de irritação venosa. Pode ser administrada diretamente ou em diluição prévia, desde que utilizadas soluções de infusão compatíveis. Por razões microbiológicas e de sensibilidade à luz, ciprofloxacino solução deve ser administrado imediatamente após a diluição.

Ciprofloxacino injetável é compatível com soro fisiológico, solução de Ringer, solução de Ringer lactato, soluções de glicose a 5% e 10%, solução de frutose a 10% e solução de glicose a 5% com 0,225% ou 0,45% de Cloreto de Sódio. Constituem-se sinais visíveis de incompatibilidade: precipitação, turvação e descoloração da solução.

Incompatibilidade é comum em todas as soluções ou medicações física ou quimicamente instáveis ao pH de ciprofloxacino solução (ex.: penicilina, soluções de heparina), especialmente nas associações com soluções com pH alcalino.

Devido à fotossensibilidade da solução, os frascos somente deverão ser retirados da embalagem no momento do uso. Sua eficácia se mantém por 3 dias sob condições de luz natural.

Duração do tratamento: a duração do tratamento depende da gravidade da doença e do curso clínico e bacteriológico. É essencial manter-se o tratamento durante, pelo menos, 3 dias após o desaparecimento da febre e dos sintomas clínicos. Duração média do tratamento: 1 dia, nos casos de gonorréia e cistite aguda não-complicada; até 7 dias, nos casos de infecção renal, trato urinário e cavidade abdominal; durante todo o período neutropênico, em pacientes com defesas orgânicas debilitadas; máximo de 2 meses nos casos de osteomielite; 7 a 14 dias, em todas as outras infecções.

Nas infecções estreptocócicas, o tratamento deve durar, pelo menos, 10 dias, pelo risco de complicações posteriores.

As infecções causadas por Chlamydia também devem ser tratadas durante um período mínimo de 10 dias.


CONDUTA NA SUPERDOSAGEM: - CIPROFLOXACINO

Medidas habituais de emergência. Recomenda-se monitorizar a função renal. Apenas uma pequena quantidade de ciprofloxacino (<10%) é eliminada após a hemodiálise ou diálise peritoneal.


PACIENTES IDOSOS: - CIPROFLOXACINO

Ciprofloxacino deve ser utilizado com cautela em pacientes idosos pela probabilidade de apresentarem redução na função renal relacionada à idade, que possam requerer um ajuste na dosagem.


VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA

N.º de lote, data de fabricação e prazo de validade: VIDE CARTUCHO.

Para sua segurança mantenha esta embalagem até o uso total do medicamento.


MS - 1.0043.0739 Farm. - Resp.: Dra. Sônia Albano Badaró - CRF-SP 19.258

EURO FARMA LABORATÓRIOS LTDA

Av. Ver. José Diniz, 3.465 - São Paulo &#8211; SP CNPJ: 61.190.096/0001-92 Indústria Brasileira

- Laboratório

Billi Farmacêutica Ltda
Av. Vereador José Diniz, 3465 - Santo Amaro
São Paulo/SP - CEP: 04603-003
Tel: 55 (011)5090-8705
Fax: 55 (011)5090-8735
Email: grupobilli@billi.com.br
Site: http://www.billi.com.br/