Diurezin - Hidroclorotiazida - Bula

Diurezin

Hidroclorotiazida

Diureticos



Diurezin

Indicação

Para quê serve Diurezin?

Diurético: DIUREZIN-A é indicado no tratamento de pacientes com insuficiência cardíaca e congestiva nos quais a terapêutica diurética concomitante pode conseguir diurese mais satisfatória. DIUREZINA é útil no tratamento de pacientes nos quais exista ou se possa esperar excessiva perda de potássio ou alcalose metabólica. DIUREZIN-A é útil no tratamento de pacientes com hipertensão de ligeira a moderada. Embora o principal efeito redutor da pressão do DIUREZIN-A seja devido ao componente tiasídico, o cloridrato de aminorida pode reforçar significativamente o efeito anti-hipertensivo da combinação.

Contraindicações

Quando não devo usar este medicamento?

Está contraindicado em pacientes com anúria e naqueles que apresentem hipersensibilidade a esta ou outras drogas derivadas da sulfonamida. Não se deve usar DIUREZIN-A em presença de enuria, úlcera péptica, glaucoma, hiperpotassemia. Nefropatia grave, progressiva. Insuficiência renal aguda. Teores elevados de potássio no soro icom ou sem comprometimento da função renal. Sensibilidade conhecida ao cloridrato de amilorida ou à hidroclorotiazida. Este medicamento não pode ser utilizado se a taxa de potássio no sangue for acima do normal. Uso na gravidez e lactação. Oe tiazídicos atravessam a barreira placentária. Portanto, seu uso em mulheres grávidas segue a avaliação dos benefícios contra os possíveis riscos para a mãe e para o feto. Estes riscos incluem icterícia fetal ou neonatal, trombocitopenia a possivelmente outras reações adversas que ocorram com o adulto. DIUREZIN-A é excretado pelo leite materno. Assim, se o uso da droga for considerado essencial, a paciente deve interromper a amamentação.

Posologia

Como usar Diurezin?

A terapia deve ser individualizada de acordo com a resposta do paciente. A dose deve ser reajustada para se obter a resposta terapêutica desejada, bem como para determinar a menor dose capaz de manter esta resposta. Adulto: Hipertensão: Dose inicial: 50-100 mg/dia de uma só vez pela manhã ou em doses fracionadas. Manutenção: após uma semana a dosagem varia entre 25 e 200 mg/dia de acordo com a resposta do paciente. Obs.: Quando as tiazidas são usadas com outros agentes anti-hipertensivos a dose destes últimos deve ser reduzida para prevenir uma queda excessiva da pressão arterial. Edema: Dose inicial: 50-100 mg, 1 a 2 vezes por dia até ser alcançado o peso normal do paciente. Manutenção: varia entre 25 e 200 miligramas ao dia ou em dias altemados de acordo com a resposta do paciente. Obs.: Com uma terapia intermitente é menos frequente ocorrer distúrbios hidreletrolíticos. Lactantes e crianças: Até 2 anos: 12,5-25 miligramas (1/4-1/2 comprimido) fracionados em 2 vezes. De 2 a 12 anos: 25-100 miligramas (1/2-2 comprimidos) fracionados em 2 vezes. A dose diária usual deve ser baseada em 2 a 3 mg/kg de peso corporal ou a critério médico, divididos em 2 tomadas. Posologia: Para iniciar a terapêutica diurética/anti-hipertensiva, dá-se 1 comprimido de DIUREZIN-A duas vezes por dia. A posologia pode ser aumentada até o máximo de 4 comprimidos por dia, ou reduzida no caso da resposta ser satisfatória. Pacientes que requeiram terapêutica de manutenção podem responder satisfatoriamente a um comprimido de DIUREZIN-A por dia ou em dias alternados. Como ocorre em toda terapêutica diurática/anti-hipertensiva de manutenção, deve-se prescrever a posologia mínima que se mostre eficaz. Edema: Para iniciar a diurese: a posologia usual de início é 1 comprimido de DIUREZIN-A duas vezes ao dia. Terapêutica de manutenção: obtida a diurese, deve-se reduzir a posologia até a menor dose que mantenha o peso. Hipertensão: A terapêutica inicial deve consistir de 1 comprimido de DIUREZIN-A duas vezes por dia. Se ocorrer hipercalcemia em pacientes que estejam tomando DIUREZIN-A o uso da droga deve ser imediatamente suspenso e se necessário tomar-se-ão medidas para reduzir o teor de potássio no soro.

Não tome remédio sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para sua saúde.

CAZI Química Farmacêutica Industria e Comércio Ltda.

Efeitos Colaterais

Quais os males que este medicamento pode me causar?

Gastrintestinal: Anorexia, desconforto gástrico, náuseas, vômitos, diarréia, constipação, icterícia colestática, pancreatites. SNC: Vertigens, parestesia, cefaléia, tremores. Hematológico: Leucopenia, agranulocitose, trombocitopenia, anemia aplástica, anemia hemolítica. Cardiovascular: Hipotensão ortostática (pode ser potencializada pelo álcool, barbitúricos ou narcóticos). Hipersensibilidade: Púrpura, fotossensibilidade, urticária, erupção da pele, reações anafiláticas. Outros: Hiperglicemia, glicosúria, hiperuricemia, fraqueza, espasmo muscular, perda de cabelo, distúrbio visual. Sempre que as reações adversas forem moderadas ou graves, a dose deve ser reduzida ou a terapia interrompida.

Advertências e precauções

O que devo saber antes de usar este medicamento?

Deve ser usado com cautela em pacientes com doença renal severa, pois os tiazídicos podem precipitar o aparecimento de azotemia nestes pacientes. Os tiazídicos devem ser usados com cuidado em paciente com insuficiência hepática ou doença hepática progressiva, pois pequenas alterações no balanço hidreletrolítico desses pacientes podem precipitar o coma hepático. Deve-se proceder a avaliação periódica dos eletrólitos séricos. Todos os pacientes em uso de tiazídicos devem ser observados cuidadosamente quanto ao aparecimento de sinais clínicos de distúrbios hidreletrolíticos, principalmente hiponatremia, alcalose hipoclorêmica e hipocalemia. Pode ocorrer hiperuricemia ou mesmo gota em certos pacientes recebendo tiazídicos. A necessidade de insulina nos pacientes diabéticos pode aumentar, diminuir ou permanecer inalterada. Diabéticos latentes podem se manifestar durante o tratamento com os tiazídicos. Reações de sensibilidade podem ocorrer em pacientes com ou sem história de asma alérgica ou brônquica. Recomenda-se suspender o uso de DIUREZIN-A 48 horas antes da cirurgia eletiva. Tem se observado hipercalcemia em pacientes que receberam cloridrato de amilorida, seja isoladamente seja em combinação com outras drogas diuréticas. Durante a terapêutica com DIUREZIN-A não se devem administrar suplementos de potássio nem outros anticaliuréticos. É importante observar cuidadosamente os eletrólitos do soro e a cifra de nitrogênio uréico do sangue quando se administra DIUREZIN-A a pacientes em estado grave, aos que têm ascite pronunciada e alcalose metabólica associada, ou aos que têm cardiopatia com hiponatremia dilucional. Com esta medicação, não deve ser suplementada a dieta com potássio.

Composição

DIUREZIN 25 mg: Hidroclorotiazida 25 mg; Excipiente q.s.p. 1 comprimido. DIUREZIN 50 mg: Hidroclorotiazida 50 mg; Excipiente q.s.p. 1 comprimido. DIUREZIN-A: Cada comprimido contém: Cloridrato de amilorida 5 mg; Hidroclorotiazida 50 mg; Excipiente q.s.p. 1 comprimido.

Apresentação

DIUREZIN 25 mg: Caixa com 20 comprimidos. DIUREZIN 50 mg: Caixa com 20 comprimidos. DIUREZIN-A: Caixa com 30 comprimidos.

Interações Medicamentosas

A hidroclorotiazida potencializa a ação de hipertensivos. O lítio não deve ser administrado a pacientes que usam diuréticos. A hidroclorotiazida reduz a resposta arterial da norepinefrina. O uso concomitante de DIUREZIN-A com álcool, barbitúricos ou narcóticos pode levar a hipotensão ortostática. Sinais ou sintomas são agravados ou modificados pela ingestão concomitante com medicação corticosteróide, curare e digitálicos.

Laboratório

Indústria Brasileira


Diureticos
Bulas
Principal