Etoxin - Etossuximida - Bula

Etoxin

Etossuximida

Antiepilepticos



Etoxin

Indicação

Para quê serve Etoxin?

Epilepsia. ETOXIN (etossuximida) está indicado no tratamento das crises de ausência (pequeno mal).

Contraindicações

Quando NÃO devo usar este medicamento?

Em pacientes com hipersensibilidade às succinimidas.

Posologia

Como usar Etoxin?

As doses de ETOXIN devem ser individualizadas de acordo com a resposta dos pacientes. O aumento das doses deve ser feito a intervalos de 4 a 7 dias, com doses de 250 miligramas de cada vez. Doses para adultos de 1,5 g divididas em 4 administrações diárias, devem ser acompanhadas de estrita supervisão médica.

A etossuximida pode ser administrada em combinação com outros anticonvulsivos, quando coexistirem outras formas de epilepsia.

Adultos:

Dose inicial de 15 a 30 mg/kg/dia, V.O., ou 250 mg, V.O., 2 vezes/dia; aumentar de 250 mg/dia com intervalos de 4 a 7 dias, até obter-se controle das convulsões ou até a dose total de 1,5 g/dia.

Crianças:

De 3 até 6 anos: dose inicial de 15 a 40 mg/kg/dia, V.O.; ou 250 miligramas (5 ml do xarope), V.O. 1 vez/dia; se necessário, aumentar de 250 mg/dia com intervalos de 4 a 7 dias; até obter-se controle das convulsões com o mínimo de reações adversas.

Acima de 6 anos: dose inicial de 500 mg/dia (10 mililitros do xarope); se necessário, aumentar de 250 mg/dia com intervalos de 4 a 7 dias, até obter-se controle das convulsões com o mínimo de reações adversas.

Para a maioria das crianças, a dose ótima é de 20 mg/kg/dia.

Efeitos Colaterais

Quais os males que este medicamento pode me causar?

Reações mais frequentes: anorexia, ataxia, tontura, sonolência, cefaléia, soluço, distúrbios gastrointestinais, síndrome de Stevens-Johnson ou lupo eritematoso.

Reações ocasionais: irritabilidade, dificuldade de concentração, pesadelos, depressão mental.

Reações raras: discrasias sanguíneas, agranulocitose, anemia aplástica, eosinofilia, leucopenia, pancitopenia, convulsões tônico-clônicas, psicose paranóica, exantema eritematoso.

Advertências e precauções

O que devo saber antes de usar este medicamento?

Discrasias sanguíneas foram relatadas e associadas ao uso de etossuximida, bem como casos de lupus eritematoso sistêmico. O controle cuidadoso das funções renal e hepática, contagem sanguínea, saúde bucal e estado geral do paciente, deve ser feito periodicamente.

Superdosagem

O que fazer se alguém usar uma quantidade maior do que a indicada deste medicamento?

A superdosagem aguda provoca depressão do sistema nervoso central, incluindo coma com depressão respiratória.

Não foi estabelecida a relação entre a toxicidade por etossuximida e o nível plasmático. o nível plasmático Terapêutico médio é de 40 ìg/ml, embora níveis tão elevados como 150 ìg/ml foram relatados sem sinais de toxicidade.

Tratamento O tratamento pode incluir a êmese (a menos que o paciente venha a apresentar coma ou convulsões), ou lavagem gástrica, catárticos carvão ativado e medidas gerais de suporte. pode ser empregada a hemodiálise nos casos de superdosagem. a diurese forçada e a transfusão sanguínea não são efetivas.

Composição

Cada ml do xarope contém:

Etossuximida 50 miligramas Veículo qsp* 1 ml

* Veículo: Citrato de Sódio, Ácido Cítrico anidro, Benzoato de sódio, Sacarina sódica, Glicerol, Sacarose, Aroma de Framboesa, Corante vermelho Ponceau, Metilparabeno, Álcool, Água purificada qsp.

Apresentação

Xarope a 5% - frascos contendo 120 mililitros

Interações Medicamentosas

O uso concomitante de ETOXIN com álcool e medicamentos depressores centrais aumenta a depressão central; com antidepressivos tricíclicos, loxapina, maprotilina, molindona, IMAO, fenotiazínicos, pimozida e tioxantenos há uma diminuição do limiar convulsivo, aumentando a depressão central e diminuindo a eficácia do anticonvulsivo; com carbamazepina, fenobarbital, fenitoína e primidona há aumento da biotransformação e diminuição das concentrações plasmáticas da etossuximida e dos outros medicamentos associados; com ácido fólico há necessidade de aumentar a sua ingestão suplementar; com haloperidol há alterações dos padrões e das frequências das convulsões epileptiformes; com fenacemida há aumento da toxicidade; com ácido valpróico pode aumentar ou diminuir as concentrações da etossuximida devido às alterações na biotransformação.

Laboratório

Apsen Farmacêutica S.A.

Endereço: Rua La Paz, 37/67- Santo Amaro 04755-020 - São Paulo - SP - Brasil Tel: (11) 5644.8200


Antiepilepticos
Bulas
Principal