Fator Viii Emoclot - Bula

Fator Viii Emoclot



Referência

Emoclot DI (Cristália)

Apresentação de Fator Viii Emoclot

USO ADULTO E PEDIATRICO Pó liófilo injetável + solução diluente Administração endovenosa Dose Pó lióf Solução diluente Acessórios para infusão 250 UI 1 frasco-ampola 1 frasco-ampola com 5 ml Seringa descartável + acessórios para infusão 500 UI 1 frasco-ampola 1 frasco-ampola com 10 mililitros Seringa descartável + acessórios para infusão 1000 UI 1 frasco-amp 1 frasco-ampola com 10 mililitros seringa descartável + acessórios para infusão Cada ml de solução reconstituída contém: 250 UI 500 UI 1000 UIFator VIII de coagulação 250 UI 500 UI 1000 UICitrato de sódio tribásico 14,7 mg 29,4 mg 29,4 mgCloreto de sódio 33,0 miligramas 66,0 miligramas 66,0 mgGlicina 45,0 miligramas 90,0 miligramas 90,0 miligramas Cloreto de cálcio 0,73 mg 1,47 mg 1,47 mgAgua para injetáveis 5,0 mililitros 10,0 mililitros 10,0 mililitros

Fator Viii Emoclot - Indicações

No tratamento e profilaxia de hemorragias em: - pacientes com hemofilia A (deficiência congênita do fator VIII) - deficiência de fator VIII adquirida - tratamento de hemofilia com anticorpos anti-fator VIII - tratamento de pacientes com a doença de von Willebrand

Contraindicações de Fator Viii Emoclot

Em casos de reações alérgicas conhecidas aos componentes do produto.

Advertências

Se ocorrerem reações alérgicas ou anafiláticas, a infusão deve ser interrompida imediatamente e seguidas as diretrizes da terapia de choque. Quando a administração de altas doses for necessária em pacientes dos grupos sanguíneos A, B ou AB, devem ser monitorados possíveis sinais de hemólise intravascular. O produto contém traços de proteína humana diferentes do fator VIII. O paciente deve ser informado dos primeiros sinais de hipersensibilidade, incluindo urticária, eritema generalizado, dificuldade de respirar, dispnéia, hipotensão e anafilaxia. O paciente deve interromper imediatamente a administração do produto e contatar seu médico se estes sinais se manifestarem. Após tratamentos repetidos com o concentrado de fator VIII de coagulação de plasma humano, o nível do inibidor no plasma deve ser determinado. A formação de anticorpos neutralizantes de fator VIII (inibidores) é uma complicação observada no tratamento de indivíduos com hemofilia A. Estes inibidores são Imunoglobulinas G comuns, diretas contra a atividade coagulante do fator VIII, e são quantificadas em Unidades Bethesda (UB) por mL de plasma usando uma amostra modificada. O risco de desenvolvimento de inibidores é relacionado à exposição ao fator VIII anti-hemofilico. Este risco é maior dentro dos primeiros 20 dias de exposição. Raramente os inibidores podem desenvolver-se após os primeiros 100 dias de exposição. Os pacientes tratados com fator VIII da coagulação de plasma humano devem ser atentamente monitorados para o desenvolvimento de inibidores com observação clínica apropriada e testes de laboratório.

Uso na gravidez de Fator Viii Emoclot

A segurança do produto para o uso por mulheres grávidas não foi determinada por ensaios clínicos controlados. Os estudos experimentais em animais são insuficientes para estabelecer a segurança em relação à reprodução, desenvolvimento do embrião ou feto, curso da gestação e desenvolvimento peri e pós-natal. Portanto, o produto pode ser usado durante a gravidez e lactação, desde que efetivamente necessário. Categoria C de risco na gravidez: Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica. Não há indicação de que o concentrado de fator VIII de coagulação de plasma humano possa comprometer a capacidade de dirigir veículos ou operar máquinas.

Interações medicamentosas de Fator Viii Emoclot

Não são conhecidas interações entre o concentrado de fator VIII da coagulação de plasma humano e outros medicamentos. O produto não deve ser misturado com outros medicamentos. Somente deverão ser utilizados acessórios aprovados para a infusão, uma vez que pode ocorrer falha no tratamento devido à reação do produto com a superfície interna de determinados equipos de infusão.

Reações adversas e efeitos colaterais de Fator Viii Emoclot

Casos raros de reações alérgicas ou anafiláticas são observados. Em casos raros observa-se aumento na temperatura corpórea. Observa-se ocorrência de desenvolvimento de anticorpos do fator VIII. Para reduzir o risco de transmissão de agentes infecciosos, os doadores e doações são devidamente triados. Cada unidade do plasma usada para a fabricação do produto deve ser negativa para anticorpos HBsAg, anti-HIV1e anti-HIV2, anticorpos anti-HCV, e também é testada para o conteúdo de ALT. O pool de plasma também tem sido controlado para verificar a presença de HCV-RNA, através de uma técnica de amplificação gênica e o resultado deve ser não reativo. Além disso, o processo produtivo inclui procedimentos para a remoção e/ou inativação de vírus. O produto é duplamente inativado através de tratamento com solvente/tensoativo (durante o processo produtivo) e aquecido a 100¦C por 30 minutos (na forma liofilizada). É demonstrada a eficiência na inativação do HIV e HAV, e BVDV e PRV, reconhecidos como modelos de vírus HCV e HBV. Por enquanto, o risco de transmissão do Parvovírus B19 não pode ser excluído, pelos métodos de inativação até hoje utilizados. Aconselha-se uma vacinação adequada (Hepatite A e B) em pacientes recebendo fator VIII derivado de plasma. A infecção por parvovírus B19 pode ser grave na gravidez (infecção fetal) ou em pacientes com imunodeficiência ou diminuição da produção de glóbulos vermelhos (ex. anemia hemolítica).

Fator Viii Emoclot - Posologia

A dosagem e duração da terapia de substituição dependem da gravidade da desordem da função hemostática, da extensão da hemorragia e da condição clínica. Uma unidade de fator VIII é equivalente à quantidade de fator VIII em 1 ml de plasma humano. O cálculo da dose necessária de fator VIII é baseado no resultado empírico em que 1 UI fator VIII por kg de peso corpóreo aumenta a atividade do fator VIII plasmático em 1,5% a 2%. A dose necessária é determinada segundo a fórmula: Dose inicial: Unidades necessárias = peso corpóreo (kg) x aumento desejado de fator VIII (%) x 0,5 A quantidade a ser administrada e a frequência devem ser sempre orientadas em relação à eficácia em cada caso individualmente.Características da hemorragia Nível de atividade de fator VIII plasmático necessário terapeuticamente Período pelo qual é necessário manter o nível terapêutico de atividade de fator VIII plasmáticoHemorragias menores: hemorragias nas juntas 30% Pelo menos por um dia, dependendo da gravidade da hemorragiaHemorragias maiores: nos músculos, na extração dentária, trauma craniano leve, cirurgias médias, na cavidade oral 40 - 50% 3 - 4 dias ou até cicatrização do ferimentoHemorragias com risco de morte: cirurgias maiores, sangramento gastrintestinal, intracraniana, intra-abdominal ou intratorácica, fraturas 60 - 100% Durante 7 dias e depois terapia por mais 7 dias Sob certas circunstâncias, podem ser necessárias quantidades maiores do que aquelas calculadas, especialmente no caso da dose inicial. Cirurgia: Em determinadas circunstâncias podem ser necessárias doses maiores, especialmente para a dose inicial. No caso de intervenções cirúrgicas maiores é indispensável um monitoramento da terapia de substituição por meio da análise de coagulação (atividade do fator VIII plasmático). Profilaxia: Para a profilaxia de longos períodos contra hemorragias em pacientes com hemofilia A grave, deverão ser administradas doses de 10 a 50 UI por kg de peso corpóreo, em intervalos de 2 a 3 dias. Em alguns casos, especialmente em pacientes jovens, podem ser necessárias doses maiores ou frequências menores. Faz-se necessária terapia específica em hemofílicos com anticorpos anti-fator VIII. Pode ser desenvolvida a tolerância imunológica com o tratamento com o concentrado de fator VIII de coagulação de plasma humano. O produto deve ser dissolvido no diluente e administrado por infusão intravenosa lenta. Aconselha-se não administrar o produto em menos que 3 a 5 minutos, controlando-se a frequência cardíaca do paciente e interrompendo ou diminuindo a velocidade de infusão se ocorrer taquicardia. A velocidade de infusão deve ser determinada para cada paciente.

Superdosagem

Até agora não são conhecidos sintomas de superdose. No caso de administração de uma sobredose a um paciente do Grupo A, B ou AB, este deve ser monitorado em relação à hemólise intravascular.

Características farmacológicas

O complexo fator VIII von Willebrand consiste de duas moléculas (fator VIII e VWF) com diferentes funções fisiológicas. O fator VIII é responsável pela atividade de coagulação. Como co-fator do fator IX, acelera a conversão do fator X para ativá-lo. O fator X converte a protrombina em trombina. A trombina então converte o fibrinogênio em fibrina e ocorre a coagulação. A atividade do fator VIII é muito diminuída em pacientes com hemofilia A e assim há necessidade de terapia de substituição. Após injeção do produto permanecem na circulação aproximadamente 2/3 ou 3/4 de fator VIII. O nível de atividade do fator VIII, alcançado no plasma, deve estar entre 80% e 120% da atividade plasmática prevista do fator VIII. Esta atividade decresce por queda exponencial de duas fases. Na fase inicial, a distribuição entre o compartimento intravascular e outros (fluídos corpóreos) ocorre com a meia-vida de eliminação do plasma de 3 a 6 horas. Na fase mais lenta subsequente (que provavelmente reflete o consumo do fator VIII) a meia-vida varia entre 8 a 20 horas, com a média de 12 horas. Isto parece corresponder à meia-vida biológica real. A respeito do tempo para o pico de concentração, há informações conflitantes acerca do tempo para se obter o pico de concentração; os valores variam de 10 minutos a 2 horas após a administração intravenosa. O pico do efeito ocorre 1 a 2 horas após a administração intravenosa. A recuperação in vivo da atividade de fator VIII é de 104,7% ¦ 18,4%. Em um outro papel como proteína de proteção do fator VIII, o fator de von Willebrand regula a adesão das plaquetas ao local de dano vascular e tem um papel na agregação plaquetária.

Resultados de eficácia

O fator VIII da coagulação do plasma humano (do concentrado), é um constituinte normal do plasma humano e age como o fator VIII endógeno. O teste de toxicidade de dose única não é relevante, pois doses maiores resultam em carga adicional. O teste de toxicidade de doses repetidas em animais é impraticável devido à interferência com o desenvolvimento de anticorpos para proteínas heterólogas. Mesmo doses muito maiores que a dose humana recomendada por kg de peso corporal não mostram efeitos tóxicos nos experimentos com animais de laboratório. Experiências clínicas não mostraram indicação de efeitos carcinogênicos e mutagênicos provocados pelo fator VIII de coagulação do plasma humano.

Modo de usar

Conservar o produto em temperatura entre 2 e 8ºC, protegido da luz. O produto não deve ser congelado. Uma vez reconstituído o produto deve ser usado imediatamente. Qualquer solução remanescente deve ser descartada, por apresentar risco de contaminação bacteriológica. Instruções para Uso: Usando-se a agulha dupla adicionar lentamente o Diluente ao longo da parede do frasco-ampola contendo o Pó Liófilo, para evitar espuma, e agitar suavemente até completa solubilização. A solubilização pode ser mais rápida se o Diluente for aquecido em banho-maria até 37¦C. Se a substância não estiver completamente solubilizada pode haver perda de atividade devido à filtração. Quando o concentrado estiver todo solubilizado deve ser transferido para uma seringa. A agulha de filtração é substituída pela segunda agulha e injeta-se o produto intravenosamente ou procede-se à infusão. O conteúdo do frasco-ampola deve ser usado apenas para uma única administração. A solução é normalmente clara ou levemente opalescente. Não utilize se a solução estiver turva ou contenha depósitos. O tempo de solubilização é de cerca de 3 minutos e após reconstituição o produto deverá ser usado imediatamente. Soluções contendo depósitos ou apresentando turbidez não devem ser usadas.

Uso em idosos, crianças e em outros grupos de risco

Idosos: Estudos realizados até a presente data não demonstraram problemas específicos geriátricos que limitassem a utilização do fator VIII em pacientes idosos. Crianças: Estudos realizados até a presente data não demonstraram problemas específicos pediátricos que limitassem a utilização do fator VIII em pacientes crianças.

Armazenagem

Conservar o produto em temperatura entre 2 e 8ºC, protegido da luz. O produto não deve ser congelado. O prazo de validade é de 24 meses a partir da data de fabricação impressa na embalagem, quando armazenado entre 2 e 8oC. Não utilize produto com prazo de validade vencido. Número do Lote, Data de Fabricação, Prazo de Validade: Vide Cartucho e Rótulos.

Dizeres legais

Registro M.S.: 1.0298.0208.001-8Registro M.S.: 1.0298.0208.002-6Registro M.S.: 1.0298.0208.003-4 Farmacêutico(a) responsável: Joaquim Anselmo dos Reis - CRF/SP-5061 Fabricado por: Kedrion SpA 55027 Bolognana Gallicano - Lucca - Itália Para: Kedrion SpA 55020 Castelvecchio Pascoli Barga - Lucca - Itália Distribuído por: Cristália Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda. Rodovia Itapira-Lindóia, km 14 - Itapira - SP Indústria Brasileira SAC (Serviço de Atendimento ao Cliente): 0800-7011918 USO RESTRITO A HOSPITAIS VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA

Data da bula

Aug 25 2004 12:00AM


Bulas
Principal