Inflanan - Bula

Inflanan

Analgesicos



Inflanan

Indicação

Para quê serve Inflanan?

Inflanan está indicado em diversas patologias inflamatórias de natureza aguda ou crônica, tais como:

Amigdalites, faringites, laringites. Processos inflamatórios e dolorosos, originados por: traumas osteoarticulares, contusões e distensões musculares traumáticos, pré e pós operatórios cirúrgicos de natureza ortopédica, odontológica e de cirurgia geral. Artrite reumatoide, osteoartrites, espondilites anquilosantes, lombalgias, hérnias de disco e lúpus eritematoso. Dismenorreia, salpingites, anexites.

Uso adulto - Uso oral

Farmacocinética

Como funciona este medicamento?

Inflanan combate principalmente a inflamação, além da dor e do aumento de temperatura.

O princípio ativo Piroxicam é rapidamente absorvido após sua administração oral.

Atinge o pico de concentração plasmática em aproximadamente 2 horas.

Nas doenças crônicas inflamatórias, a ação analgésica pode ser observada de imediato, mas a ação anti-inflamatória pode ter uma latência de até uma semana, tempo este necessário para que os níveis sanguíneos entrem em equilíbrio com os níveis articulares do medicamento.

Posologia

Como usar Inflanan?

Comprimidos revestidos de 20 mg: 1 comprimido ao dia de 20 mg, em dose única ou em duas tomadas.

A dosagem varia de acordo com a doença a ser tratada.

Efeitos Colaterais

Quais os males que este medicamento pode me causar?

Sistema gastrointestinal: estomatite, náuseas, desconforto epigástrico e abdominal, anorexia, constipação, flatulência, diarreia, dor abdominal e indigestão. A administração de 30 miligramas ou mais apresenta risco maior de efeitos gastrointestinais. Assim como ocorre com outros AINHs, alguns pacientes podem apresentar níveis aumentados de transaminase durante o tratamento. Têm sido relatadas reações hepáticas severas como icterícia e casos fatais de hepatite. Embora estas reações sejam raras, o uso de Piroxicam deverá ser interrompido se os testes de função hepática anormal persistirem ou piorarem, se aparecerem sinais ou sintomas compatíveis com doença hepática, ou se manifestações sistêmicas ocorrerem (eosinofilia, rash, etc). Raros casos de pancreatites têm sido observados.

Sistema cardiovascular: raramente palpitações e dispneia.

Sistema metabólico: raramente aumento ou diminuição de peso, hipoglicemia e hiperglicemia.

Sistema renal: elevações reversíveis da uréia e creatinina têm sido relatadas.

Sistema hematopoético: há relatos de anemia, trombocitopenia e púrpura não trombocitopênica (Henoch-Schonlein), leucopenia e eosinofilia. Diminuição na hemoglobina e hematócrito sem associação com sangramento gastrointestinal poderá ocorrer. Raramente há relatos de anemia aplástica e hemolítica e epistaxe.

Pele: podem ocorrer rash cutâneo e prurido em casos de hipersensibilidade. Onicólise e alopécia têm sido observados raramente. Assim como com outros AINHs pode-se observar casos raros de Síndrome de Stevens-Johnson e necrose epidérmica tóxica (doença de Lyell). Têm sido raramente relatados reações vesiculares bolhosas e de hipersensibilidade tais como anafilaxia, broncoespasmo, urticária, angioedema, vasculite e "doença do soro".

Sistema Nervoso Central: tonturas, cefaléia, sonolência, vertigens, depressão, nervosismo,insônia, alucinações, alterações de humor, pesadelo, confusão mental e parestesia foram relatados raramente.

Orgãos dos sentidos: existem relatos de alterações oculares com o uso de Piroxicam. Edema dos olhos, irritações oculares e visão turva podem ocorrer.

Outras: edema, principalmente de tornozelo, em uma pequena porcentagem dos pacientes.

Casos esporádicos de anticorpos antinucleares positivos e disfunção auditiva, mal-estar e tinnitus também podem ocorrer.

Contraindicações

Quando NÃO devo usar este medicamento?

Inflanan não pode ser administrado a pacientes com úlcera péptica, portadores de asma, rinite, reações alérgicas da pele provocadas por ácido acetilsalicílico ou outro anti-inflamatório.

Inflanan na gravidez e lactação: não é recomendado o uso de Inflanan na gravidez e na lactação.

Informe ao seu médico a ocorrência de gravidez na vigência do tratamento ou após o seu término.

Informar ao médico se está amamentando.

Não é indicado para crianças menores de 12 anos.

Advertências e precauções

O que devo saber antes de usar este medicamento?

Em pacientes com história prévia de patologia de trato gastrointestinal superior, o Piroxicam deve ser administrado sob estrita supervisão médica. Tem sido relatada uma incidência pouco frequente de ulceração péptica, perfuração e sangramento gastrointestinal, fatais em raros casos, com o uso de Piroxicam.

Em casos raros os anti-inflamatórios não hormonais podem causar nefrite intersticial, glomerulite, necrose papilar e síndrome nefrótica.

Em pacientes com fluxo renal e volume sanguíneo diminuídos os anti-inflamatórios não hormonais inibem a síntese de prostaglandinas renais que mantêm a perfusão renal, podem precipitar uma descompensação renal, reversível após a suspensão da droga.

Pacientes com ICC, cirrose hepática, síndrome nefrótica e doença renal estão sob risco maior, devendo ser cuidadosamente monitorizados quando em tratamento com anti-inflamatórios não hormonais.

Os anti-inflamatórios não hormonais podem causar retenção de sódio, potássio e água, podendo piorar as condições cardíacas de pacientes com hipertensão ou comprometimento da função cardíaca.

Piroxicam, assim como ocorre com outros anti-inflamatórios não hormonais, diminui a agregação plaquetária e prolonga o tempo de sangramento.

Pacientes que apresentaram alterações oculares relatadas com o uso de anti-inflamatórios não hormonais devem receber avaliação oftalmológica.

Pacientes idosos, com insuficiência renal, cardíaca, e hepática, e aqueles fazendo uso de diuréticos, podem ter uma descompensação da função renal com o uso de anti-inflamatórios, pela redução dose-dependente na formação de prostaglandinas. Por isto deve-se utilizar doses menores do medicamento nestes pacientes e monitorizar a função renal.

Interações Medicamentosas Os anti-inflamatórios não hormonais por reter sódio, potássio e água podem interferir com a ação natriurética dos diuréticos, podendo piorar as condições cardíacas dos pacientes cardiopatas ou hipertensos.

Piroxicam administrado a pacientes em uso de anticoagulantes cumarínicos pode causar sangramento, relatado raramente. Estes pacientes em uso de anticoagulantes orais e Piroxicam devem ser cuidadosamente monitorizados. Piroxicam, assim como ocorre com outros anti-inflamatórios não hormonais, diminui a agregação plaquetária e prolonga o tempo de sangramento, que deve ser levado em consideração nos casos em que o tempo de sangramento for determinado.

Não se recomenda o uso de dois anti-inflamatórios não hormonais ou uso de Piroxicam associado ao ácido acetilsalicílico porque o potencial para efeitos adversos é maior sem haver dados que demonstrem uma eficácia maior.

Assim como ocorre com outros anti-inflamatórios não hormonais , o Piroxicam aumenta o steady-state dos níveis plasmáticos de lítio, devendo-se monitorar esses níveis quando iniciar, ajustar ou descontinuar o uso de Piroxicam.

Dois estudos demonstraram um pequeno aumento na absorção de Piroxicam após a administração de cimetidina, sem aumento significante nos parâmetros de eliminação.

O uso concomitante de Piroxicam e ácido acetilsalicílico reduz em cerca de 80% os níveis plasmáticos normais de Piroxicam.

O uso concomitante de antiácidos, digoxina e digitoxina não interfem com os níveis plasmáticos de Piroxicam.

Superdosagem

O que fazer se alguém usar uma quantidade maior do que a indicada deste medicamento?

A ingestão acidental de doses elevadas ou erros de dosagens exige atitudes médicas que impeçam a absorção e acelerem a sua eliminação.

A absorção a nível intestinal pode ser diminuída por ingestão de substâncias que apresentem efeito adsortivo, como o carvão ativado, associado ou não, dependendo do tempo de ingestão, com medidas provocadoras de vômitos.

Como o Piroxicam apresenta ciclo enterohepático a administração de colestiramina pode ser útil.

Uma hidratação adequada facilita a eliminação urinária do Piroxicam.

Composição

Cada comprimido revestido contém:

Piroxicam: 20 miligramas Excipientes: cellactose, explotab, talco, estearato de magnésio, corante vermelho n.º 6, dióxido de titânio, eudragit, simeticone, tietilcitrato, polissorbato.

Apresentação:

Comprimidos revestidos - caixas com 8 e 16 comprimidos revestidos de 20 miligramas

Armazenamento

Onde, como, e por quanto tempo posso guardar este medicamento?

Evitar calor excessivo.

Proteger da luz e da umidade.

O prazo de validade é de 36 meses após data de fabricação impressa no cartucho.

Laboratório

Laboratório Marjan Dizeres Legais M.S. 1.0155.0013 Farm. Resp: Regina H. V. Souza - CRF-SP nº 6394 SAC: 0800 554545


Analgesicos
Bulas
Principal