KEFLIN NEUTRO - Bula

KEFLIN NEUTRO



Keflin neutro

Indicação

Para quê serve Keflin neutro?

Endocardite bacteriana (infecção nas válvulas do coração); infecção nas juntas; infecção da pele e dos tecidos moles; infecção nos ossos; prevenção de infecção durante cirurgia; infecção urinária; infecção nos pulmões; infecção no sangue.

Contraindicações

Quando NÃO devo usar este medicamento?

Este medicamento não pode ser usado por pacientes com histórico de reação alérgica a penicilinas, derivados da penicilina, penicilamina ou a outras cefalosporinas.

Posologia

Como usar Keflin neutro?

ADULTOS E ADOLESCENTES:

Pneumonia não complicada; infecção do trato urinário; furunculose com celulite: 500 miligramas a cada 6 horas, via intramuscular ou intravenosa.

Pro?laxia cirúrgica (via intravenosa):

a) 2 gramas, 30 a 60 minutos antes do início da cirurgia;

b) 2 gramas durante a cirurgia com duração de 2 horas ou mais;

c) 2 gramas a cada 6 horas, após a cirurgia, durante até 48 horas.

Outras infecções: 500 miligramas a 2 g a cada 4 a 6 horas, via intramuscular ou intravenosa.

Limite de doses para adultos: 12 g por dia.

Adultos com Diminuição da Função Renal: Após uma dose inicial de 1 a 2 g por via intravenosa, pode ser necessário o ajuste de dose de acordo com o esquema abaixo que considera o clearance de creatinina.

Adultos com diminuição da função renal 50 - 80 Clearance de creatinina (mL/min): Até 2 g a cada 6 horas.

25 - 50 Clearance de creatinina (mL/min): Até 1,5 g a cada 6 horas.

10 - 25 Clearance de creatinina (mL/min): Até 1 g a cada 6 horas.

2 - 10 Clearance de creatinina (mL/min): Até 500 miligramas a cada 6 horas.

< 2 Clearance de creatinina (mL/min): Até 500 miligramas a cada 8 horas .

PACIENTES PEDIÁTRICOS Infecções bacterianas em geral: 20 a 40 miligramas por Kg de peso, a cada 6 horas, por via intramuscular ou intravenosa; ou 12 a 25 miligramas por Kg de peso, a cada 4 horas, por via intramuscular ou intravenosa.

IDOSOS Ver dose para adultos e adolescentes.

Efeitos Colaterais

Quais os males que este medicamento pode me causar?

As principais reações adversas são: reações alérgicas, incluindo erupções na pele, urticária e febre; dor de cabeça; diarréia.

Advertências e precauções

O que devo saber antes de usar este medicamento?

Antes que a terapia com cefalotina seja instituída, deve-se fazer uma pesquisa cuidadosa quanto a reações anteriores de hipersensibilidade às cefalosporinas, penicilinas, derivados da penicilina e penicilamina.

Reações agudas e graves de hipersensibilidade podem requerer epinefrina (adrenalina) e outras medidas de emergência. Há alguma evidência clínica e laboratorial de alergenicidade cruzada parcial entre as penicilinas e as cefalosporinas. Pacientes têm demonstrado reações graves (incluindo ana?laxia) a ambas as drogas. Qualquer paciente que tenha demonstrado alguma forma de alergia, particularmente a drogas, deve receber antibióticos cautelosamente e quando absolutamente necessário. Foi relatada colite pseudomembranosa com todos os antibióticos de amplo espectro. Portanto, é importante considerar este diagnóstico em pacientes que apresentarem diarréia associada ao uso de antibiótico. Essas colites podem variar em gravidade de leve a gravíssima. O tratamento com antibiótico de amplo espectro altera a ?ora normal do cólon e pode permitir o crescimento de clostrídeos. Os estudos indicam que a toxina produzida pelo Clostridium dif?cile é a causa principal de colite associada ao uso de antibiótico.

Casos leves de colite pseudomembranosa usualmente respondem só com a interrupção do tratamento. Em casos de colite moderada a grave, o tratamento deve incluir sigmoidoscopia, estudos bacteriológicos apropriados e suplementação de líquidos, eletrólitos e proteínas. Quando não há melhora após a interrupção da droga ou quando a colite é grave, a vancomicina oral é a droga de escolha para o tratamento de colite pseudomembranosa causada por Clostridium dif?cile, associada ao uso de antibiótico. Outras causas de colites devem ser excluídas. A administração inapropriada de altas doses de cefalosporinas parenterais pode causar convulsões, particularmente em pacientes com insu?ciência renal.

PRECAUÇÕES GERAIS - A cefalotina não tem demonstrado ser nefrotóxica; contudo, concentrações séricas altas e prolongadas do antibiótico podem ocorrer com doses usuais em pacientes com redução da função renal. Nestes casos, as doses devem ser reduzidas de acordo com o clearance de creatinina (ver POSOLOGIA).

Quando doses intravenosas de cefalotina maiores que 6 gramas diárias são administradas por infusão contínua, por períodos superiores a 3 dias, poderá haver o aparecimento de trombo?ebite, devendo-se, por este motivo, usar as veias alternadamente. O uso prolongado de cefalotina poderá resultar em crescimento excessivo de microrganismos resistentes, sendo essencial a constante observação do paciente. Se durante a terapia ocorrer uma superinfecção, devem-se tomar as medidas apropriadas. Poderá ocorrer uma reação falso-positiva para glicose na urina com as soluções de Benedict ou Fehling ou com os comprimidos de Clinitest , mas não com a Glico-?ta. A cefalotina pode falsamente elevar a concentração da creatinina no soro e na urina, quando determinada pela reação de Jaffé. Antibióticos de amplo espectro devem ser prescritos com cautela a pacientes com histórico de doença gastrintestinal, particularmente colite.

USO NA GRAVIDEZ - Risco B, segundo a classi?cação do FDA americano. Estudos de reprodução realizados em coelhos, administrando-se doses de 200 mg/Kg, não revelaram evidências de prejuízo na fertilidade ou danos fetais devido à cefalotina. Contudo, não há estudos bem controlados em mulheres grávidas. Devido ao fato de os estudos de reprodução em animais nem sempre predizerem as respostas no homem, esta droga só deverá ser usada durante a gravidez se absolutamente necessária.

USO NA AMAMENTAÇÃO - As cefalosporinas são excretadas em pequenas doses no leite materno. Não foram, contudo, documentados problemas.

USO EM IDOSOS - Pacientes idosos têm maior probabilidade de ter a função renal diminuída, por isso recomenda-se a avaliação da função renal destes pacientes antes que se inicie a terapia com cefalotina (Ver POSOLOGIA).

Superdosagem

O que fazer se alguém usar uma quantidade maior do que a indicada deste medicamento?

Tratamento - Procurar por um Centro de Controle de Intoxicações ou um Hospital. Em casos de superdosagem, deve-se considerar a possibilidade de superdoses de múltiplas drogas, interação entre drogas e cinéticas pouco comuns de drogas no paciente. Se ocorrerem convulsões, a droga deverá ser imediatamente suspensa; uma terapia anticonvulsivante deverá ser administrada se clinicamente indicada. Proteger a passagem de ar do paciente e manter a ventilação e perfusão. Monitorar meticulosamente os sinais vitais do paciente, gases sanguíneos e eletrólitos séricos. Em caso de superdosagem grave, pode ser considerado o uso de hemodiálise.

Composição

KEFLIN NEUTRO 1 g - Cada frasco-ampola contém cefalotina sódica equivalente a 1 g de cefalotina. Embalagem com 50 frascos-ampola.

Cada frasco-ampola contém ainda 30 miligramas de bicarbonato de sódio (tamponante). A cefalotina sódica contém 2,8 mEq de sódio por grama.

Observação: Cada 1,063 g de cefalotina sódica equivalem a 1 g de cefalotina.

Armazenamento

Onde, como, e por quanto tempo posso guardar este medicamento?

O medicamento, em sua apresentação original, deve ser armazenado em temperatura ambiente (15° a 30°C).

Apresentação

Pó para solução injetável VIA INTRAMUSCULAR OU INTRAVENOSA

Interações Medicamentosas

Um aumento na incidência de nefrotoxicidade foi relatado após a administração concomitante de antibióticos cefalosporínicos e aminoglicosídeos. A probenecida aumenta as concentrações de cefalotina e pode aumentar os riscos de toxicidade.

Laboratório

Antibióticos do Brasil Ltda.

Prof. Zeferino Vaz - SP 332, Km 135 Bairro Itapavussu - Cosmópolis - SP CEP 13150-000 Caixa Postal 31 Telefone (Pabx): (19) 3872-9300 Fax Central: (19) 3872-9479


Bulas
Principal