Amplacilina - Bula

Amplacilina



Amplacilina

Indicação

Para quê serve Amplacilina?

está indicada no tratamento de infecções causadas por microrganismos sensíveis à ampicilina, tais como infecções do trato urinário, respiratório, digestivo e biliar. Infecções localizadas ou sistêmicas especialmente causadas por germes do grupo esterococos, Haemophilus, Proteus, Salmonella e E. coli. Também indicada nas infecções bucais, extrações infectadas e outras intervenções cirúrgicas.

Contraindicações

Quando não devo usar este medicamento?

AMPICILINA está contraindicada para pacientes com história de reações de hipersensibilidade às penicilinas e/ou demais componentes da fORMULAÇÃO. Não deve ser administraDA a pacientes sensíveis às cefalosporina devido a ocorrência de reação alérgica cruzada.

Posologia

Como usar Amplacilina?

As cápsulas de AMPLACILINA devem ser deglutidas com um pouco de líquido. A ingestão de alimentos interfere na absorção de ampicilina, portanto recomenda-se sua tomada 30 minutos a 1 hora antes das refeições. Já para a suspensão oral devem ser seguidas as informações descritas no item "Recomendações para Reconstituição da Suspensão Oral".

Efeitos Colaterais

Quais os males que este medicamento pode me causar?

Assim como com outras penicilinas, a maioria das reações adversas estão essencialmente limitadas a reações de hipersensibilidade. Estas ocorrem com maior probabilidade em indivíduos que demonstraram reações prévias de hipersensibilidade a penicilinas, ou naqueles com história de alergia, asma, febre do feno ou urticária. podem ser atribuídas ao uso da ampicilina As seguintes reações adversas:

Gastrintestinais: glossite, estomatite, náusea, vômito, enterocolite, colite pseudomembranosa e diarréia. Estas reações estão geralmente associadas a forma sfarmacêuticas de uso oral.

Reações de hipersensibilidade: eritema maculopapular, eritema multiforme, urticária, dermatite esfoliativa. a Anafilaxia é a reação mais séria ocorrida, tendo sido associada principalmente a administração parenteral.

Superdosagem

O que fazer se alguém usar uma quantidade maior do que a indicada deste medicamento?

Conduta na superdosagem As penicilinas apresentam toxicidade direta mínima no homem. É improvável que efeitos tóxicos graves resultem de ingestão, mesmo que em largas doses. O perigo potencial associado à administração de altas doses por via parenteral é o possível efeito irritante sobre o sistema nervoso central e periférico, podendo causar ataque epileptiforme. Pacientes com disfunção renal são mais susceptíveis a alcançar níveis sanguíneos tóxicos. Não havendo antídoto específico, o tratamento, quando necessário, deve ser de suporte. A ampicilina pode ser removida por hemodiálise, mas não por diálise peritoneal. Devido ao sódio presente na AMPLACILINA injetável, aconselha-se a monitorização de eletrólitos sanguíneos nos pacientes, principalmente naqueles com tendência a hipernatremia. Cada grama de AMPLACILINA injetável contém 61,9 mg (2,7 mEq) de sódio.

Apresentação

Cápsula: embalagens contendo 12 cápsulas de 500 miligramas

Pó para suspensão oral 60 ml: embalagem contendo 1 frasco com 52 g de pó para suspensão oral acompanhada de 1 colher medida. após reconstituição, o frasco conterá 60 mililitros de suspensão oral 50 mg/ml.

Pó injetável: embalagem contendo frasco-ampola de 500 miligramas + ampola diluente de 2 ml.

Interações Medicamentosas

Pacientes recebendo alopurinol para o tratamento de hiperuricemia parecem estar predispostos ao desenvolvimento de erupções cutâneas induzidas pela ampicilina. A AMPICILINA tem sido associada com uma redução na excreção urinária de estrógenos endógenos em pacientes grávidas e casos isolados de irregularidade menstrual e gravidez não planejada em pacientes recebendo contraceptivos orais. A probenecida diminui a taxa de excreção das penicilinas, assim como prolonga e aumenta os seus níveis séricos.

Interação com testes de laboratório: As penicilinas podem interferir com a medida da glicosúria realizada com o método do sulfato de cobre, ocasionando falsos resultados de acréscimo ou diminuição. Esta interferência não ocorre com o método da glicose oxidase.

Gravidez e Lactação

A AMPLACILINA não deve ser administrada durante a gravidez e lactação a não ser que, a critério do médico, os benefícios do tratamento esperados para as mães superem os riscos potenciais para o feto. Informe ao seu médico a ocorrência de gravidez na vigência do tratamento ou após o término do tratamento.

A ampicilina é excretada no leite materno. Informe ao seu médico se está amamentando.

Laboratório

Eurofarma Laboratórios Ltda.


Bulas
Principal