Magnopyrol - Bula

Magnopyrol



Magnopyrol

Indicação

Para quê serve Magnopyrol?

Analgésico de uso geral e em analgesia obstétrica. Como antipirético, em estados febris de qualquer natureza. Como antiespasmódico em cólicas de diversas origens.

Contraindicações

Quando não devo usar este medicamento?

Em indivíduos sabidamente alérgicos aos derivados pirazolônicos ou com determinadas doenças metabólicas, tais como, porfiria hepática e deficiência congênita de glicose-6-fosfato-desidrogenase. Como os demais analgésicos, a dipirona não deve ser administrada em altas doses ou por tempo prolongado, sem controle médico. Magnopyrol está contraindicado no primeiro trimestre da gestação.

Posologia

Como usar Magnopyrol?

Adultos e adolescentes acima de 15 anos: 1 a 2 comprimidos até 4 vezes ao dia. Doses maiores somente a critério médico. Gotas: cada 1 ml = 20 gotas. As dosagens abaixo se aplicam a pacientes de peso normal. Doses maiores, somente a critério médico. Adultos e adolescentes maiores de 15 anos: 20 a 40 gotas em administração única ou até o máximo de 40 gotas 4 vezes ao dia. As crianças devem receber Magnopyrol gotas em dose única conforme seu peso, seguindo a orientação a seguir: peso (média de idade): 5 a 8 kg (3 a 11 meses): 2 a 5 gotas; dose máxima diária 20 gotas (4 x 5); 9 a 15 kg (1 a 3 anos): 3 a 10 gotas; dose máxima diária 40 gotas (4 x 10); 16 a 23 kg (4 a 6 anos): 5 a 15 gotas; dose máxima diária 60 gotas (4 x 15); 24 a 30 kg (7 a 9 anos): 8 a 20 gotas; dose máxima diária 80 gotas (4 x 20); 31 a 45 kg (10 a 12 anos): 10 a 30 gotas; dose máxima diária 120 gotas (4 x 30); 46 a 53 kg (13 a 14 anos): 15 a 35 gotas; dose máxima diária 140 gotas (4 x 35). Crianças menores de 3 meses de idade ou pesando menos de 5 kg não devem ser tratadas com Magnopyrol, a menos que seja absolutamente necessário. Neste caso a dose de 1 gota até 3 vezes ao dia não deve ser excedida. Solução injetável 2 ml e 5 ml: dose única recomendada IM e IV: adultos e adolescentes acima de 15 anos: 2 a 5 ml. Crianças de 12 a 14 anos: 0,8 a 1,6 ml. Crianças de 8 a 11 anos: 0,5 a 1,0 mililitro Crianças de 5 a 7 anos (cerca de 24 kg): 0,4 a 0,8 ml. Crianças de 3 a 4 anos (cerca de 18 kg): 0,2 a 0,6 ml. Crianças de 1 a 2 anos (cerca de 12 a 14 kg): 0,2 a 0,4 ml. Crianças de 6 a 11 meses (cerca de 8 a 10 kg): 0,1 a 0,3 ml. Crianças de 3 a 5 meses (cerca de 5,5 a 7,5 kg): 0,1 a 0,2 ml, somente IM. Caso seja necessário, Magnopyrol solução injetável pode ser administrado até 4 vezes ao dia, não excedendo a dose total/dia de 6 ml para adultos, adolescentes e crianças acima de 12 anos. Doses maiores somente a critério médico. A injeção intravenosa deve ser aplicada lentamente (1 ml por minuto). Não devem ser misturados outros medicamentos na mesma seringa. Supositório infantil: 1 supositório até 4 vezes ao dia. Se forem necessárias doses maiores, devem ser administradas as formas orais. Crianças com menos de 4 anos não devem ser tratadas com supositórios. - Superdosagem: o tratamento segue os princípios gerais de conduta no controle de intoxicações exógenas.

Efeitos Colaterais

Quais os males que este medicamento pode me causar?

Sob o uso prolongado podem surgir discrasias sanguíneas (agranulocitose, leucopenia e trombocitopenia), que é sempre um quadro muito grave. A literatura a respeito relata casos de trombocitopenia, pancitopenia, agranulocitose, anemia hemolítica e metemoglobinemia, já tendo sido relatados casos de aplasia medular. Para agranulocitose não existem tratamentos específicos, aconselha-se o uso de antibióticos, pois a baixa de leucócitos pode levar ao aparecimento de processos infecciosos. Outros eventos adversos relatados incluem reações de hipersensibilidade que afetam a pele (urticária), a conjuntiva e a mucosa nasofaríngea, muito raramente progredindo para reações cutâneas bolhosas, às vezes com risco de vida, geralmente com comprometimento da mucosa (síndrome de Stevens-Johnson ou síndrome de Lyell). No evento de tais reações cutâneas, o tratamento deve ser suspenso imediatamente e o médico consultado. Pacientes com história de reação de hipersensibilidade a outras medicações ou substâncias, podem constituir um grupo de maior risco e apresentar eventos adversos mais intensos, até mesmo choque. Neste caso o tratamento deve ser imediatamente suspenso e tomadas as providências médicas adequadas: colocar o paciente deitado com as pernas elevadas e manter as vias aéreas livres, diluir 1 ml de epinefrina 1:1000 para 10 mililitros e aplicar 1 ml por via intravenosa e, a seguir, uma dose alta de glicocorticóide; se necessário, fazer reposição do volume sanguíneo com plasma, albumina ou soluções hidreletrolíticas. Em situações ocasionais, principalmente em pacientes com histórico de doença renal preexistente ou em casos de superdosagem, pode haver distúrbios renais transitórios com oligúria, anúria, proteinúria e nefrite intersticial. Podem ser observados ataques de asma em pacientes predispostos a tal condição.

Advertências e precauções

O que devo saber antes de usar este medicamento?

Nos tratamentos prolongados é obrigatório o acompanhamento do paciente através de hemogramas, devido à possibilidade de ocorrência de agranulocitose. O uso de dipirona em casos de amigdalite ou qualquer outra afecção da bucofaringe deve merecer cuidado especial, pois esta afecção preexistente pode mascarar os primeiros sintomas de agranulocitose (angina agranulocítica), ocorrência rara, mas possível, quando se faz uso de produto que contenha dipirona. A injeção intravenosa pode provocar vasodilatação cutânea e náusea; recomenda-se que a aplicação intravenosa seja feita lentamente. Em indivíduos com deficiência de protrombina, a dipirona pode agravar a tendência ao sangramento. Pacientes com asma ou infecções respiratórias crônicas, bem como pacientes com hipersensibilidade a qualquer tipo de substâncias, podem desenvolver choque. O uso de Magnopyrol comprimidos é recomendado para indivíduos acima de 15 anos de idade. Cada 10 mililitros de Magnopyrol xarope contém 7 g de açúcar; portanto, essa apresentação não deve ser administrada a diabéticos. Crianças menores de 3 meses de idade ou pesando menos de 5 kg não devem ser tratadas com dipirona, a menos que seja absolutamente necessário, devido à possibilidade de interferência com a função renal. Em pacientes com distúrbios hematopoiéticos, dipirona somente deve ser administrada sob controle médico. Durante o tratamento com dipirona sódica pode se observar uma coloração avermelhada na urina, devido à excreção do metabólito ácido rubazônico; porém, isto não tem significado toxicológico ou clínico. - Uso durante a gravidez e lactação: a segurança do uso de dipirona durante a gravidez e lactação não foi estabelecida. Estudos de teratogênese realizados em animais não demonstraram ação prejudicial ao feto. Mas, sua administração está contraindicada no primeiro trimestre da gestação. No período restante da gestação ou durante a lactação, Magnopyrol somente deve ser administrado em caso de absoluta necessidade e sob controle médico. - Interações medicamentosas: doses de dipirona menores do que as normalmente recomendadas deverão ser dadas a pacientes que fazem uso concomitante de alopurinol devido à possibilidade de inibição das enzimas hepáticas. Se o paciente faz uso de barbitúricos, é necessário o aumento da dose de dipirona para se alcançar o efeito desejado. Os agentes anticoagulantes cumarínicos têm sua ação diminuída, necessitando de doses maiores quando usados, pois há evidências de que os derivados pirazolônicos aceleram o metabolismo dos cumarínicos. Parece haver um efeito somatório dos derivados pirazolônicos e medicações nefrotóxicas, havendo perturbação da função renal. Os anticoncepcionais prolongam os níveis dos derivados dos pirazolônicos no plasma da mulher e, consequentemente, aumentam o período de atividade do produto. Associada à clorpromazina, a dipirona pode produzir hipotermia grave. Medicamentos contendo ciclosporina não devem ser administrados concomitantemente com dipirona, pois ocorre uma diminuição do nível sanguíneo de ciclosporina. Não se deve ingerir bebidas alcoólicas durante o tratamento com dipirona, pois o efeito do álcool pode ser potencializado.

Composição

Cada comprimido e cada ml de gotas contêm 500 miligramas de dipirona sódica. Cada supositório infantil contém 300 miligramas de dipirona sódica. Cada ml de solução injetável contém 500 miligramas de dipirona sódica. Veículo q.s.p. 1 ml.

Apresentação

Comprimidos: embalagens com 200 comprimidos; gotas frascos com 10, 15 e 20 ml; embalagens com 5 supositórios infantis; embalagens com 50 ampolas de 2 ml e embalagens com 50 ampolas de 5 ml.

Laboratório

Abbott Laboratórios do Brasil Ltda.

Rua Michigan, 735 São Paulo - SP CNPJ: 56.998.701/0001-16 Taboão da Serra - SP INDÚSTRIA BRASILEIRA Sob licença de: Grupo Ferrer Barcelona - Espanha


Bulas
Principal