Salivan - Bula

Salivan



Laboratório

Apsen

Apresentação de Salivan

Frasco spray com 50 mililitros Cada ml da solução contém: Carmelose sódica..10 miligramas Excipientes qsp...1 ml

Salivan - Indicações

Boca seca ou xerostomia decorrentes: de radioterapia da cabeça ou pescoço, da Síndrome de Sjögren, para alívio e controle da xerostomia causada por medicamentos, principalmente neurolépticos e antidepressivos tricíclicos, de lesões mecânicas orais e periorais e estados de desidratação. Para o cuidado bucal na terapia intensiva.

Contraindicações de Salivan

Hipersensibilidade aos componentes da fórmula.

Advertências

Pediatria Não há recomendações especiais com respeito ao uso em crianças.

Uso na gravidez de Salivan

Não foram feitos estudos conclusivos até o momento.

Interações medicamentosas de Salivan

Não devem ser utilizados enxaguatórios bucais contendo metais ou soluções ácidas durante o uso de Salivan.

Reações adversas e efeitos colaterais de Salivan

Sendo um componente habitual em formulações industriais de alimentos e de medicamentos, não há relatos de reações adversas ou efeitos colaterais que possam ser atribuídos à Carmelose ou CMC.

Salivan - Posologia

De acordo com a necessidade, vaporizar várias vezes ao dia a mucosa bucal e faringeana. Em geral são aplicadas até oito vaporizações diárias.

Superdosagem

Não há riscos de superdosagem, a não ser pela presença de eletrólitos na formulação. Nos casos de ingestão acidental o equilíbrio ácido-básico deve ser controlado.

Salivan - Informações

Salivan é uma preparação de carmelose sódica (CMC) específica para uso como substituto da saliva humana. A boca-seca é um sintoma conhecido por várias designações como: oligosalia, aptialismo, estomite seca ou, de forma mais comum, xerostomia. Por si só a xerostomia não representa uma entidade como doença, mas uma manifestação clínica que ocorre em uma série de condições médicas. As alterações nos tecidos moles intraorais resultantes da xerostomia, não só complicam o diagnóstico e os procedimentos de tratamento, mas também causam extremo desconforto e dor ao paciente induzindo a problemas de nutrição e dentários de grande significado clínico e por vezes de graves consequências para a saúde. Quando a condição da xerostomia é transitória, geralmente, não provoca complicações orais sérias. Com menor frequência a redução do fluxo salivar pode persistir por longos períodos e acarretar problemas clínicos frustrantes e difíceis de serem resolvidos. A própria modificação do meio ambiente oral propicia o aumento das cáries, além disto a xerostomia promove fissuras e sangramento na língua. Finalmente a xerostomia pode levar a dor, torna a fala difícil e dificulta a alimentação. Já foram observadas que alterações no paladar são quase sempre acompanhadas de xerostomia. Na xerostomia severa, a língua é inicialmente recoberta por uma camada de células da camada papilar da língua levemente atrofiadas, posteriormente ocorre uma completa atrofia da camada papilar. A xerostomia está associada a várias doenças e estados fisiológicos, podendo ser considerada um sintoma comum nas seguintes condições: radioterapia da cabeça e pescoço, ausência ou remoção das glândulas salivares, síndrome de Sjögren, doenças das glândulas salivares, administração de drogas, fatores psíquicos, doenças sistêmicas, menopausa, velhice e outras condições fisiológicas, dentes em más condições e função mastigatória alterada. O alívio das condições previamente descritas é necessário para a manutenção dos pacientes em bom estado geral e o uso de um substituto artificial para a saliva é imprescindível para garantir a boa evolução dos pacientes.


Bulas
Principal