Tranazol - Bula

Tranazol



Tranazol

Indicação

Para quê serve Tranazol?

Tratamento de diversas micoses superficiais: dermatofitoses, candidíase vaginal, pitiríase versicolor, candidíase oral, ceratite micótica e micoses sistêmicas, histoplasmose, esporotricose, cromomicose, aspergilose.

Contraindicações

Quando NÃO devo usar este medicamento?

Pacientes com hipersensibilidade ao itraconazol ou a qualquer componente ativo da formulação. Gravidez e lactação: mulheres com possibilidade de engravidar devem fazer uso de método contraceptivo eficaz antes de iniciar o tratamento.

Posologia

Como usar Tranazol?

Candidíase vaginal: 200 miligramas (2 cápsulas) pela manhã e 200 miligramas (2 cápsulas) à noite por 1 dia. Pitiríase versicolor: dose única diária de 200 miligramas (2 cápsulas) durante 5 dias. Tinea corporis, Tinea cruris, Tinea pedis e Tinea mannum: 100 miligramas (1 cápsula) durante 15 dias. Nos casos com lesões nas regiões altamente queratinizadas, como palma das mãos e planta dos pés, recomenda-se um tratamento adicional por mais 2 semanas. Ceratite micótica: dose única diária de 200 miligramas (2 cápsulas) durante 15 dias. Micoses sistêmicas: 100 miligramas (1 cápsula) até o desaparecimento dos sinais e sintomas ou até a negativação dos exames micológicos. Em infecções muito graves ou quando não ocorrer resposta clínica suficiente no prazo previsto, a dose pode ser aumentada para 200 miligramas (2 cápsulas) ao dia. - Superdosagem: ainda não foi descrita. Recomenda-se lavagem gástrica e medidas de suporte em geral. Não há antídoto específico. Itraconazol não pode ser removido por hemodiálise.

Efeitos Colaterais

Quais os males que este medicamento pode me causar?

As reações adversas mais comumente observadas foram de origem gastrintestinal: náusea, dor abdominal, dispepsia e constipação. Com menor frequência foram relatados: cefaléia, tontura, aumento reversível das enzimas hepáticas, desordem menstrual e reações alérgicas (como prurido, erupções cutâneas, urticária e angioedema). Casos isolados de síndrome de Stevens-Johnson e neuropatia periférica também foram relatados, porém não foram necessariamente causados pela droga. A incidência de efeitos adversos é mais alta principalmente em pacientes com tratamento prolongado e sob tratamentos concomitantes, sendo mais frequentes as reações gastrintestinais. Raramente ocorreram casos de hipopotassemia, hepatite e perda de cabelo.

Advertências e precauções

O que devo saber antes de usar este medicamento?

A administração de antiácidos (por exemplo, hidróxido de alumínio) deve ser feita pelo menos duas horas após a ingestão de itraconazol, pois a absorção é afetada quando a acidez gástrica está diminuída. Em pacientes com acloridria, tais como, certos pacientes com AIDS e pacientes recebendo supressores da secreção ácida, recomenda-se administrar itraconazol com bebidas à base de cola. O itraconazol é extensivamente metabolizado pelo fígado. Não se recomenda, portanto, a administração a pacientes com disfunção hepática ou que tenham apresentado toxicidade hepática a outras drogas. Em pacientes cirróticos e pacientes com insuficiência renal, a biodisponibilidade oral do itraconazol pode estar relativamente diminuída. Aconselha-se monitorização das concentrações plasmáticas e ajuste das doses se necessário. - Interações medicamentosas: a biodisponibilidade do itraconazol é significativamente reduzida quando drogas indutoras enzimáticas, tais como, rifampicina e fenitoína são co-administradas. Nesses casos recomenda-se monitorização da concentração plasmática do itraconazol. Itraconazol pode inibir o metabolismo de drogas metabolizadas pela família do citocromo 3A, resultando em aumento e/ou prolongamento dos seus efeitos, inclusive efeitos colaterais: terfenadina, astemizol, cisaprida, midazolam e triazolam não devem ser usados por pacientes em tratamento com itraconazol. Midazolam IV pode ter seu efeito sedativo prolongado. A dosagem de anticoagulantes orais, digoxina, ciclosporina e possivelmente tracolimus e vincristina devem ser reduzidas se necessário. Os pacientes devem ser monitorizados devido a efeitos colaterais, tais como, edema e tremores/diminuição da audição, quando itraconazol for administrado concomitantemente com bloqueadores de canal de cálcio e quinidina, respectivamente, e se necessário as doses devem ser reduzidas. Com relação às proteínas plasmáticas, em estudos in vitro não foram demonstradas interações entre itraconazol e imipramina, propranolol, diazepam, cimetidina, indometacina, tolbutamida e sulfametazina. Não foi observada interação com AZT (zidovudina). Não foi observado nenhum efeito de indução de itraconazol no metabolismo de estinilestradiol e noretisterona.

Composição

Cada cápsula contém 100 miligramas de itraconazol.Excipientes: açúcar, lactose, amido, Eudragit, dióxido de titânio, estearato de magnésio, dietilftalato.

Apresentação

Embalagens com 4, 10 e 15 cápsulas.

Laboratório

Laboratório Americano de Farmacoterapia S.A.


Bulas
Principal