Trilax - Cafeína - Bula

Trilax

Cafeína



Trilax

Indicação

Para quê serve Trilax?

Reumatismo nas suas formas inflamatório-degenerativas agudas e crônicas. Crises agudas de gota, estados inflamatórios agudos, pós-traumáticos e pós-cirúrgicos. Exacerbações agudas de artrite reumatóide e osteoartrose e estados agudos de reumatismo nos tecidos extrarticulares. Coadjuvante em processos inflamatórios graves decorrentes de quadros infecciosos.

Contraindicações

Quando NÃO devo usar este medicamento?

Úlcera péptica em atividade. Hipersensibilidade a qualquer componente ativo da fórmula. Discrasias sanguíneas. Diáteses hemorrágicas (trombocitopenia, distúrbios da coagulação), porfiria. Insuficiência cardíaca, hepática ou renal grave. Hipertensão grave. Em pacientes asmáticos nos quais são precipitados acessos de asma, urticária ou rinite aguda pelo ácido acetilsalicílico e demais inibidores da via da ciclo-oxigenase da síntese de prostaglandinas.

Posologia

Como usar Trilax?

Como regra geral, a dose mínima diária recomendada é de um comprimido a cada 12 horas.

Aconselha-se individualizar a posologia de trilax, adaptando o quadro clínico, bem como a idade do paciente às suas condições gerais. deverão ser administradas as mais baixas doses eficazes e, sempre que possível, a duração do tratamento não deverá ultrapassar 10 dias. tratamentos mais prolongados Requerem observações especiais. os comprimidos de trilax deverão ser ingeridos inteiros (sem mastigar), às refeições, com auxílio de líquido.

Advertências e precauções

O que devo saber antes de usar este medicamento?

O uso em pacientes idosos, geralmente mais sensíveis aos medicamentos, deve ser cuidadosamente observado. Desaconselha-se o uso de TRILAX durante a gravidez e lactação. A possibilidade de reativação de úlceras pépticas requer anamnese cuidadosa quando houver história pregressa de dispepsia, hemorragia gastrintestinal ou úlcera péptica. Nas indicações de TRILAX por períodos superiores a dez dias, deverá ser realizado hemograma e provas de função hepática antes do início do tratamento e, periodicamente, a seguir. A diminuição da contagem de leucócitos e/ou plaquetas, ou do hematócrito requer a suspensão da medicação. Em pacientes portadores de doenças cardiovasculares, a possibilidade de ocorrer retenção de sódio e edema deverá ser considerada.

Observando-se reações alérgicas pruriginosas ou eritematosas, febre, icterícia, cianose ou sangue nas fezes, a medicação deverá ser imediatamente suspensa.

O diclofenaco sódico, constituinte de TRILAX, pode elevar a concentração plasmática de lítio ou digoxina, quando administrado concomitantemente com estas preparações. É necessário o controle periódico dos níveis séricos de potássio nos pacientes. A administração concomitante de glicocorticóides e outros agentes anti-inflamatórios não-esteróides pode levar ao agravamento de reações adversas gastrintestinais. A biodisponibilidade de TRILAX é alterada pelo ácido acetilsalicílico quando estes compostos são administrados conjuntamente. Recomenda-se a realização de exames laboratoriais periódicos quando anticoagulantes forem administrados juntamente com TRILAX, para aferir se o efeito anticoagulante desejado está sendo mantido. Ensaios clínicos realizados em pacientes diabéticos mostram que TRILAX não interage com hipoglicemiantes orais. Pacientes em tratamento com metotrexato devem abster-se do uso de TRILAX nas 24 horas que antecedem ou que sucedem sua ingestão.

Podem ocorrer distúrbios gastrintestinais como dispepsia, dor epigástrica, recorrência de úlcera péptica, náuseas, vômitos e diarréia. Ocasionalmente, podem ocorrer cefaléia, confusão mental, tonturas, distúrbios da visão, edema por retenção de eletrólitos, hepatite, pancreatite, nefrite intersticial.

Apresentação

12 comprimidos.

Venda

Venda sob prescrição médica

Introdução

Trilax Cafeína, Carisoprodol, Diclofenaco sódico e Paracetamol Reg. M.S. nº 1.0047.0267

Laboratório

HEXAL DO BRASIL Ltda.


Bulas
Principal